quarta-feira, fevereiro 20, 2008

MÁS INTERPRETAÇÕES...

Quando as coisas aquecem, neste caso inundam, as palavras dos nossos ministros saem com facilidade e sem a devida ponderação, criando embaraços logo que tornadas públicas. Foi isso mesmo que aconteceu com o ministro do Ambiente na segunda-feira, quando disse que havia a “falta de hábito” de fazer limpezas regulares às sarjetas para evitar cheias, acrescentando que o problema tinha a ver com as infra-estruturas urbanas e que o problema do ordenamento do território já não é o mais sério em Portugal.
Na terça-feira veio afirmar que tinha sido mal interpretado, e que ainda há muito a fazer e muitos problemas a resolver.
No meio disto tudo, para o cidadão normal houve bastante precipitação, e os escoamentos não funcionaram, havendo-se a registar vítimas e elevados estragos materiais.
Porque é que as infra-estruturas não funcionaram bem, isso é o que as autoridades têm de apurar com tempo, porque a reparação dos estragos é prioritária. As responsabilidades são de certeza das autoridades centrais e locais e não dos cidadãos em geral.
O jogo do empurra sempre que há barraca, não é admissível nem pode servir de argumento para fazer recair sobre os lesados a reposição da situação anterior às inundações, a expensas próprias, sem a ajuda de quem devia ter sabido evitar situações deste género, que em alguns casos acontecem ciclicamente.

««« - »»»
Fotografia
gitte ls landbo

Nick Landbo

««« - »»»

Humor

Sinais...

Exercícios unisexo

Fuga azarada

10 comentários:

Fragmentos Culturais disse...

Sempre divertido como corolário do caos do mau tempo em Lisboa. Digamos, que é uma espécie de aligeiramento das culpas dos outros...

A música dos 'Supertramp' divinal... 'it's raining again'.

Uma das minhas bandas preferidas! Assisti à sua despedida da vida artística, como banda, no Pavilhão Atlântico! Uma delícia!

Mocho-Real disse...

A impreparação para os cargos da maioria dos ministros destes governos da era sócrates está a tornar-se assustadoramente constante.
A impreparação e a leviandade!
Cumprimentos.
Jorge G.

Anónimo disse...

Enquanto todos sacodem a culpa do capote, o pessoal endivida-se para refazer a vida, porque de promessas vãs está Portugal cheio.
Lol

AnarKa

Tiago R. Cardoso disse...

Escrevi ontem sobre o jogo do sacudir o capote, que também é muito interessante.

Eu ouvi as declarações do Sr. Ministro na televisão, segunda, diga-se não vi nada que podesse ser mal interpretado, ou será que a confusão é tanta que ele interpretou-se mal a ele próprio ?

quintarantino disse...

A culpa é tripartida: da Administração Central, das autarquias e dos cidadãos individualmente. Aquela por que não limpa cursos de água; aquelas porque deixam construir praticamente em qualquer local e de qualquer forma; estes porque despejam alegremente para ribeiras, rios e sarjetas qualquer bocado de lixo!

O Guardião disse...

Caro Quintarantino
Concordo perfeitamente que seja uma responsabilidade de todos, enquanto encarado como questões de civismo. Agora convenhamos que há uns que depois de se oferecerem para resolver estes e outros problemas, foram escolhidos e são pagos para de facto resolverem isto,. Será justo que esses venham insinuar que não têm culpas no cartório? Precisamente esses?
Cumps

Meg disse...

Este ministro, se não me engano, está para o Ambiente como a Isabelinha estava para a Cultura.
Pode ser que me engane, mas...

Um abraço

Sophiamar disse...

Agir quanto antes é o mais importante. Análises e inquéritos só vêm atrasar todo o processo e disso não vive quem espera.

Sempre a propósito, Guardião.

Beijinhossssssss

aryanalee disse...

De facto a culpa desta tragédia e de outras similares, não se pode atribuir somente a alguém, mas a diversos alguéns.
Ouvi na rádio um cidadão dizer, que até os fumadores são culpados, pois que as beatas das ruas são escondidas nas sarjetas, logo,emtopem-nas deliberadamente!
Onde se chegou....
Cumprimentos

Rui Caetano disse...

Uma forma diferente de ironizar e provocar o riso.