quinta-feira, junho 30, 2022

O PS DE ANTÓNIO COSTA

O caso do despacho sobre o novo aeroporto de Lisboa e da sua anulação, é um exemplo muito sugestivo do pensamento de António Costa e dos interesses da oposição.
 
Costa não quer assumir sozinho a decisão sobre o aeroporto, até porque a ANA/VINCI é que tem a última palavra sobre a sua construção. A decisão será sempre polémica por ser provisória (Montijo) e Alcochete é mais caro e demora mais tempo, embora mais indicado.
 
Para os partidos da direita a saída imediata de Pedro Nuno é agradável, pois significaria que no futuro o PS viraria mais à esquerda, o que lhes seria benéfico. Marcelo também ficaria agradado, pois Costa ficaria com o menino nas mãos (aeroporto, Tap e Transportes públicos), o que o vai desgastar muito.
 
Uma coisa é certa, com Pedro Nuno as coisas eram decididas de imediato (pelo menos o Montijo), com A. Costa as decisões vão derrapar pelo menos até ao Outono...   


 

quarta-feira, junho 22, 2022

AS ELITES E A REALIDADE

Já estamos habituados (mas não conformados) ao discurso optimista de António Costa, que ainda afirma que a inflação que vivemos é passageira, e que o Governo está a tomar medidas eficazes como por exemplo a extensão do cabaz alimentar para quem beneficia da tarifa social de electricidade, que abrangeria cerca de 1 milhão de famílias, não especificando que se refere as pessoas com rendimentos abaixo de 400€ mensais.
 
Outro português que parece estar divorciado da realidade dos portugueses é Horta-Osório que disse ao Expresso que aconselha aos particulares aconselhou "prudência para o futuro", maiores poupanças e redução das dívidas em vigor. Enfim, poupar para quem já nem consegue fazer frente aos encargos mais básicos é uma miragem...
 
A caridadezinha de António Costa e a ignorância de Horta-Osório são exemplos acabados do que pensam as elites do estado deste país, mostrando que vivem num mundo de fantasia e/ou de negação.


 

sábado, junho 18, 2022

EXCESSO DE SENSIBILIDADE

Achei muito curiosa a intenção de vários investigadores terem pedido a alteração do nome da Varíola-dos-Macacos, ou Monkeypox, porque "uma nomenclatura diferente facilitará a comunicação sem criar conotações negativas através da linguagem".

Li o que havia sobre esta intenção, sobre a origem da doença, as diversas mutações, os diversos surtos, etc, e fiquei sem perceber as reticências ao uso desta designação, não percebi em que é que possa afectar a comunicação, ou que conotações negativas origine, mas deve ser defeito meu.

Recordo-me bem da gripe das aves, da doença das vacas-loucas e da peste suína, e não me lembro de alguém ter visto qualquer problema com aquelas designações, apesar de serem também conhecidas pelos nomes técnicos, como acontece com todas as doenças.

Há por aí gente com um excesso de sensibilidade que encontra sempre inconvenientes onde eles não existem...   




 

quarta-feira, junho 15, 2022

CONJUNTURAL OU ESTRUTURAL

A falta de soluções para os problemas do país, que já vêem de longe, não se encontram porque os diversos governos, nunca mostraram verdadeiramente a vontade de actuar contra os interesses instalados.

Na saúde existiam dois interesses divergentes, o dos privados e os do Serviço Nacional de Saúde, e aí a fractura política foi e é evidente. Com a teoria de que os dois sectores podiam e deviam ser complementares, o investimento na Saúde foi sendo deixado para mais tarde, fazendo primeiro que os equipamentos não fossem substituídos segundo as necessidades, tornando-os obsoletos em muitos casos, e no campo dos recursos humanos o recurso ao trabalho extraordinário passou a ser uma situação normal, e não extraordinária. O trabalho extraordinário veio a ser a única maneira de se alcançarem rendimentos justos.

Podia falar doutros sectores do Estado onde isto também aconteceu, e onde por falta de recursos humanos e materiais se teve que recorrer ao sector privado, e para isso existem sempre verbas.

Uma maneira de nada fazer para encontrar soluções é considerar que os problemas são pontuais, e que se vai constituir um grupo de trabalho ou uma comissão para se encontrarem soluções. Os discursos começam a incluir as palavras “estrutural” e “conjuntural” a cada parágrafo, e encomendam-se estudos aqui e acolá. Tudo fica na mesma, os políticos passam do governo para as empresas, os membros das comissões passam a secretários de Estado, os técnicos que elaboram os estudos passam a ser os técnicos do regime e das televisões.

Enfim, isto é um problema estrutural de Portugal… viram como isto se pega!


 

segunda-feira, junho 13, 2022

A SAÚDE E AS DECLARAÇÕES DA MINISTRA

Marta Temido reuniu-se com sindicatos, ordem dos médicos e com estruturas da saúde de Lisboa e Vale do Tejo por causa do encerramentos de urgências em diversos hospitais, facto que está no centro das atenções dos portugueses e de toda a comunicação social.

Os problemas do SNS são graves e já se vêm a evidenciar há vários anos, e segundo os médicos, enfermeiros e outros profissionais da saúde vão piorando por inação do Governo.

A senhora ministra da saúde veio fazer umas declarações breves à comunicação social, mas apesar de ter falado bastante não apresentou nenhuma resolução para melhorar a situação.