terça-feira, julho 26, 2022

CULTURA - RECORDAR

“Eles (os museus) existem para guardar, preservar obras de arte, para desenvolver um conhecimento e uma investigação sobre elas. E depois para partilhar esse conhecimento com uma sociedade. Mas hoje invertem-se as coisas e pensa-se que os museus existem para haver público. Há uma lógica de consumo e do mercado que leva a que os museus passem a ser instrumentos de um turismo cultural e de uma industrialização da cultura que está em curso no nosso mundo, facilitada pelas viagens, cada vez mais possíveis. Isto leva a que o público dos museus seja o turista, que muitas vezes está mais interessado em fazer uma selfie e em dizer que esteve no museu do que em ver aquilo que ele exibe ou em confrontar-se com aquilo que ele apresenta.”

João Fernandes, antigo director do Museu de Arte Moderna de Serralves e actual subdirector do Museu Nacional Centro de Arte Reina Sofia de Madrid (Expresso 18/11/2017).


 

sábado, julho 23, 2022

ISTO NÃO É SOCIALISMO

Em Portugal temos o PS no Governo há vários anos, primeiro com o apoio dos partidos à esquerda e depois com a maioria que resultou das últimas eleições.

É tentador dizer-se que temos um Governo socialista, mas isso não é verdade porque o nosso PS já há muito que meteu o socialismo na gaveta. Os defensores deste governo tentam defender-se dizendo que o nosso socialismo é afinal uma social-democracia, o que é curioso pois essa afirmação não resiste sequer à definição clássica da social-democracia.

As medidas tomadas por este executivo perante esta situação, em que enfrentamos uma grande inflação, não podem ser consideradas de cariz socialista ou social-democrata, e eu aqui vou citar apenas algumas:

- Na função pública aumentam-se mais os técnicos superiores (que ganham mais) do que as outras categorias (que ganham menos). A acrescentar a isto está previsto um aumento para os doutorados da função pública no valor de 400€, sem qualquer ligação com o desempenho destes trabalhadores.

- Os apoios mais anunciados pelo Governo têm sido, o apoio de 60€ (para um trimestre) às famílias mais pobres beneficiárias da prestação social mínima, uma ajuda também aos mesmos na compra do gás e da electricidade, medida que abrange cerca de 770 mil famílias. Note-se que estas medidas se aplicam a quem ganha menos de 400€.

- Vangloria-se António Costa dos aumentos do salário mínimo nacional dos últimos anos (estes sim dignos da classificação), mas também ouvimos falar dum aumento extra para as pensões de reforma até 1.108€, com retroactivos a Janeiro que afinal, não eram 10€ mas sim a diferença entre esse valor e os aumentos já recebidos em Janeiro. Foi um logro e por isso mesmo foi pago no mês em que os pensionistas receberam o subsídio de férias para que não se desse muito “barrete”.

Além destas referências temos agora o anúncio de apoios do Estado aos portugueses e às empresas, ainda não bem definidos, mas que não incidem sobre os salários, logo para os trabalhadores e pensionistas apenas restará esperar algum tipo de caridadezinha, o que é um insulto pois não é admissível que quem trabalha ou tenha trabalhado e esteja agora reformado esteja sujeito a esmolas para acudir à sua subsistência.

Isto não é socialismo nem social-democracia, nem aqui nem mais nenhum lugar do mundo…    


 

sexta-feira, julho 08, 2022

GOVERNO ENGANOU OS PENSIONISTAS

Antes deste Governo chefiado por António Costa ter tomado posse, e ainda no rescaldo da campanha eleitoral que deu a maioria absoluta ao PS, recordo-me de ter dito que os eleitores estavam iludidos e que, no caso dos reformados e pensionistas, Costa os tinha usado para alcançar os seus intentos.

Fui naturalmente contrariado por muitos que achavam ainda que era melhor o PS que o PSD ou o retorno a uma geringonça. Nessa mesma altura eu disse que no caso dos reformados e pensionistas não havia nada de bom a esperar do Governo chefiado por A. Costa e que, no máximo, só manteriam a promessa do aumento extraordinário de 10€ que constava do OE anterior que tinha sido chumbado.

Até nisso me enganei, Costa mentiu aos portugueses mesmo quando apresentou o novo OE para 2022, pois lá consta textualmente “para além da actualização regular das pensões nos termos da lei, está previsto também um aumento extraordinário de 10 euros a partir de Janeiro, beneficiando 1,6 milhões de pensionistas cujo montante global de pensões é igual ou inferior a 2,5 vezes o valor do IAS”.

Esta terça-feira foi aprovado por Marcelo o decreto onde se implementa este aumento, e afinal, o aumento extraordinário não é de 10€ pois a essa quantia é deduzido o valor da actualização anual das pensões verificado a 1 de Janeiro de 2022.

O que está escrito no OE para 2022 e que foi aprovado no Parlamento não tem duas leituras possíveis, por isso e objectivamente, Costa e o seu Governo MENTIRAM aos portugueses durante este tempo todo, e quando os pensionistas forem olhar para os aumentos reais que esta medida introduziu, vão sentir-se legitimamente defraudados.

Na fotografia Costa e o Governo saem mal e Marcelo Rebelo de Sousa também, pois não acredito que tenha assinado de cruz, logo ele que é um constitucionalista.

Nota: Se alguém desejar saber na realidade qual o aumento que decorre desta medida AQUI fica um link útil.


 

quinta-feira, junho 30, 2022

O PS DE ANTÓNIO COSTA

O caso do despacho sobre o novo aeroporto de Lisboa e da sua anulação, é um exemplo muito sugestivo do pensamento de António Costa e dos interesses da oposição.
 
Costa não quer assumir sozinho a decisão sobre o aeroporto, até porque a ANA/VINCI é que tem a última palavra sobre a sua construção. A decisão será sempre polémica por ser provisória (Montijo) e Alcochete é mais caro e demora mais tempo, embora mais indicado.
 
Para os partidos da direita a saída imediata de Pedro Nuno é agradável, pois significaria que no futuro o PS viraria mais à esquerda, o que lhes seria benéfico. Marcelo também ficaria agradado, pois Costa ficaria com o menino nas mãos (aeroporto, Tap e Transportes públicos), o que o vai desgastar muito.
 
Uma coisa é certa, com Pedro Nuno as coisas eram decididas de imediato (pelo menos o Montijo), com A. Costa as decisões vão derrapar pelo menos até ao Outono...