quinta-feira, junho 12, 2008

DESCULPAS EM CRISE

Foi curioso ouvir e ler as afirmações do primeiro-ministro no dia a seguir ao fim da crise causada pela paralisação dos camionistas. A primeira e mais sensacional, foi na resposta a Mota Amaral que acusou o governo de «falta de previsão», ao que José Sócrates respondeu que ninguém podia prever que o preço do barril de petróleo iria subir aos 134 dólares, acrescentando que «isso não seria previsão, era bruxaria».

Outra curiosidade foi a reafirmação que não existem condições orçamentais para baixar o ISP e que a descida de 1% no IVA a partir de Julho terá efeitos directos sobre os preços dos bens que estão sujeitos à taxa (a)normal do IVA. E para terminar, a cereja no topo do bolo com «a autoridade do Estado é enfrentar e resolver as crises, é obter resultados em favor das pessoas».

Dito isto, temos que autoridade do Estado obteve até agora fracos resultados, e só em favor de “algumas pessoas” e não da maioria das pessoas. Que se saiba, e o senhor primeiro-ministro afirmou-o, os consumidores é que vão pagar a actualização «mais do que justa» dos contratos de transporte em função dos preços dos combustíveis.

Quanto à redução do IVA, só mesmo para rir, porque não será nos bens de 1ª necessidade que a redução se vai sentir, mas sim noutro tipo de bens onde já não chega a maioria das pessoas, ou que só se compram muito esporadicamente.

Deixei propositadamente para o final a «falta de previsão» do governo e a «bruxaria» a que aludiu José Sócrates, para dizer que bruxos não faltaram, ainda no 1º semestre de 2007, quando começaram os rumores da crise do imobiliário no EUA, e o seu executivo foi muito ingénuo quando apresentou a sua previsão para o preço do petróleo em 2008, que só por mero acaso foi criticada na altura, por ser absolutamente irrealista, e que foi a mais baixa das previsões dos países do euro.

Assim verifica-se que o governo “apagou parcialmente uns fogos”, satisfazendo alguns interesses dos camionistas, e de alguns pescadores, mas o fardo que os aumentos dos combustíveis trouxe à economia real, continua a cair sobre os consumidores, para os quais o governo não apresentou nenhum paliativo palpável. Julgará José Sócrates que resolveu assim a crise?



««« - »»»
Fotos de Escadas

MWox

ak84
««« - »»»
Humor Combustível

Cameron (Cam) Cardow

Larry Wright
Steve Sack

8 comentários:

elvira carvalho disse...

Acabei de ler num blog de um amigo "O blog do Joseph" que no ambito das comemorações do 10 de Junho o Governo, fez as seguintes viagens:

Indicamos a seguir, quem são os Ministros e os Secretários de Estado e para onde foram:

1.Primeiro-Ministro: José Sócrates (Ida a Argel) para uma Cimeira Luso-Argelina nos dias 8 e 9 (2.206kms).
2.Ministro RUI PEREIRA - Brasília (15.560 kms)
3.Ministro MARIANO GAGO - Caracas (13.018 kms)
4.Ministro ALBERTO COSTA - Luanda (11.544 kms)
5.Ministro AUGUSTO SANTOS SILVA - Cidade da Praia (5.996 kms)
6.Ministro JOSÉ ANTÓNIO PINTO RIBEIRO - São Paulo (15.902 kms)
7.Ministro MANUEL PINHO - Madrid (998 kms "podia ir de automóvel!")
8.Sec. Estado ANTÓNIO BRAGA - Maputo (16.790 kms)
9.Sec. Estado FERNANDO SERRASQUEIRO - Pretória (16.288 kms)
10.Sec. Estado ASCENSO SIMÕES - Andorra (1.976 kms "podia ir de automóvel!")
11.Sec. Estado COSTA PINA - Berlim (4.612 kms)
12.Sec. Estado LAURENTINO DIAS - Berna (3.248 kms)
13.Sec. Estado MANUEL PIZARRO - Buenos Aires (19.164 kms)
14.Sec. Estado IDÁLIA MONIZ - Haia (4.400 kms)
15.Sec. Estado JOÂO T. SILVEIRA - Londres (3.160 kms)
16.Sec. Estado JOÃO FIGUEIREDO - Montevideu (19.060 kms)
17.Sec. Estado JORGE LACÃO - Newark (10.880 kms)
18.Sec. Estado ANA PAULA VITORINO - Paris (2.900 kms)
19.Sec. Estado PEDRO MARQUES - Sidney (36.362 kms) e
20.Sec. Estado JORGE PEDREIRA - Macau (21.980 kms)

Se isto for verdade, para estas viagens todas, não há crise , ou vem aí mais um imposto?

Por isso é que não pode fazer previsões. Levam a vida a passear.
Gostei das fotos.
Um abraço

Belzebu disse...

Consta que o próximo Conselho de Ministros se vai realizar hoje à noite em Montalegre e vai ser presidido pelo Padre Fontes. Assim nada mais vai falhar em termos de previsões!

eheh!! Aquele abraço infernal!

Anónimo disse...

Previsões? Não, certezas!
Irlanda votou NÃO ao Tratado de Lisboa, como eu o teria feito se a democracia e a palavra dos políticos , em Portugal, tivessem algum valor.
Lol

AnarKa

Pata Negra disse...

Estamos todos furiosos. Já passei o estado de depressão, agora, ou fico apático e choné, ou fico doido e me revolto. Pensando melhor, só me apetece subir e descer escadas!
Um abraço por cima da crise de quem nasceu, cresceu e vai morrer a ouvir falar da crise

Anónimo disse...

A inépcia dos nossos políticos e os favores para alguns, deixando a maioria com acorda na garganta, num dia de sol como o de hoje?
Vou já para a praia ver se me esqueço de que vivo em Portugal.
Bjos da Sílvia

Zé Povinho disse...

600 marteladas é obra. A sardinhada foi a possível numa época em que a boa sardinha não abundava num mercado boicotado. Lamento que a vida boémia desta cidade se tenha restringido às bejecas e às tiras na grelha, mas era o que estava disponível.
Abraço do Zé

Sophiamar disse...

Passei para te desejar um bom fim de semana e encontro-te a falar de crise. Mas agora a crise fechou por uns dias. Agora é o Fado e Futebol que contam.

Beijinhos

elvira carvalho disse...

Passei. Deixo um abraço e votos de bom Domingo