domingo, fevereiro 10, 2008

CURTINHAS

Socialistas não se revêem em Sócrates – Depois de Manuel Alegre, agora também Edmundo Pedro veio afirmar não se reaver em José Sócrates. Não me admira que assim seja, porque é muito difícil de engolir uma política claramente liberal que se pretende que seja encarada como socialista. Não se trata de esquerda ou de direita, conceitos que hoje em nada ajudam a clarificar políticas, mas sim de se eleger o bem estar dos cidadãos como preocupação primeira da governação, ou privilegiar os interesses económicos e a economia em geral para só depois atender ao bem estar dos cidadãos. Já se tinha assistido ao envio do socialismo para a gaveta, mas nenhum socialista imaginava sequer que também o povo para lá fosse remetido, em benefício dos interesses económicos.

Menezes e as Urgências – Compreende-se a necessidade de Menezes aparecer na comunicação social, afinal é o dirigente máximo do maior partido da oposição, e está em clara desvantagem por não estar no Parlamento. É difícil de aceitar no entanto que o mesmo dirigente que preconiza o avanço na privatização dos serviços de Saúde e da Educação, venha agora defender que o governo recue no encerramento de alguns serviços de Saúde. Afinal Correia de Campos, sem nunca o admitir publicamente abriu o caminho aos privados no campo da Saúde, mas a verdade é que estes só estão dispostos a avançar se lhes forem entregues os doentes do SNS, e se este estiver disposto a pagar pelos serviços. Chamando as coisas pelos nomes, só haverá investimento com garantia de clientes e de receitas. Não há almoços grátis, Dr. Menezes, se quer que os privados avancem, arranje dinheiro para lhes pagar, e sem qualquer garantia de que saia mais barato do que saia com o serviço público. Se pretender esclarecer as dúvidas quanto aos custos deite uma vista de olhos ao Amadora-Sintra e tire conclusões.

»»» - «««
Fotografia
mariar

universal_naturalist

««« - »»»

Humor Francófono

Damien Glez

Les handicapés en hollande par Jiho

Jiho

4 comentários:

Paulo Vilmar disse...

Jorge!
Ainda creio que se divida em esquerda e direita! A esquerda, sem dúvidas são os defensores de um novo mundo possível, do cidadão, do encurtamento das abissais diferenças entre ricos e pobres, da não exploração do homem, da defesa do meio ambiente, etc...
Acontece, que no mundo, hoje, existe uma verdadeira erva daninha, que a tudo destrói, parece que até o caráter de nossos políticos, chamada política neoliberal, que nada mais é do que dar poder ao grande capital e cale-se o cidadão ou brasileiro, ou português, francês, italiano, peruano, o que for...
Abraços!

Sílvia disse...

Um simples "D" não faz diferença nenhuma, e Menezes é apenas uma versão de Sócrates modificada.
Bjos

Tiago R. Cardoso disse...

Para compensar eu não me revejo em nenhum deles, incluindo o senhor Menezes, muito menos no senhor deputado Renato Sampaio e o corte das unhas durante o debate do tratado, falo de cortar as unhas com corta-unhas e tudo, literalmente.

Meg disse...

Então eu não estive cá ontem?
Ó Guardião, tu e o Zé são umas "máquinas a produzir"!
Mads como eram curtinhas já estão ultrapassadas.
Os socialistas têm de se pôr à tabela. E do Menezes já nem falo, porque até dá pena... é como bater no ceguinho, coitado.
Se tivesse lido o Princípio de Peter, ainda era presidente da CM de Gaia.

Um abraço