terça-feira, maio 01, 2007

1º DE MAIO DE 2007

Aos meus amigos Zé Povinho e O Guardião
Conforme me foi pedido envio um cartaz alusivo ao 1º de Maio de 2007. Talvez não fosse este o cartaz de que os meus amigos estavam à espera, mas é aquele que me apeteceu fazer para quem se dedica à escrita de blogues em Portugal.
Goraz de la Pravda


********

O 1º DE MAIO

- UM POUCO DE HISTÓRIA

Chicago, Maio de 1886

O retrocesso vivido nestes primórdios do século XXI remete-nos diretamente aos piores momentos dos primórdios do Modo de Produção Capitalista, quando ainda eram comuns práticas ainda mais selvagens. Não apenas se buscava a extração da mais-valia, através de baixos salários, mas até mesmo a saúde física e mental dos trabalhadores estava comprometida por jornadas que se estendiam até 17 horas diárias, prática comum nas indústrias da Europa e dos Estados Unidos no final do século XVIII e durante o século XIX. Férias, descanso semanal e aposentadoria não existiam. Para se protegerem em momentos difíceis, os trabalhadores inventavam vários tipos de organização – como as caixas de auxílio mútuo, precursoras dos primeiros sindicatos.
Com as primeiras organizações, surgiram também as campanhas e mobilizações reivindicando maiores salários e redução da jornada de trabalho. Greves, nem sempre pacíficas, explodiam por todo o mundo industrializado. Chicago, um dos principais pólos industriais norte-americanos, também era um dos grandes centros sindicais. Duas importantes organizações lideravam os trabalhadores e dirigiam as manifestações em todo o país: a AFL (Federação Americana de Trabalho) e a Knights of Labor (Cavaleiros do Trabalho). As organizações, sindicatos e associações que surgiam eram formadas principalmente por trabalhadores de tendências políticas socialistas, anarquistas e social-democratas. Em 1886, Chicago foi palco de uma intensa greve operária. À época, Chicago não era apenas o centro da máfia e do crime organizado era também o centro do anarquismo na América do Norte, com importantes jornais operários como o Arbeiter Zeitung e o Verboten, dirigidos respectivamente por August Spies e Michel Schwab.
Como já se tornou praxe, os jornais patronais chamavam os líderes operários de cafajestes, preguiçosos e canalhas que buscavam criar desordens. Uma passeata pacífica, composta de trabalhadores, desempregados e familiares silenciou momentaneamente tais críticas, embora com resultados trágicos no pequeno prazo. No alto dos edifícios e nas esquinas estava posicionada a repressão policial. A manifestação terminou com um ardente comício.
No dia 3, a greve continuava em muitos estabelecimentos. Diante da fábrica McCormick Harvester, a policia disparou contra um grupo de operários, matando seis, deixando 50 feridos e centenas presos, Spies convocou os trabalhadores para uma concentração na tarde do dia 4. O ambiente era de revolta apesar dos líderes pedirem calma.
Os oradores se revesavam; Spies, Parsons e Sam Fieldem, pediram a união e a continuidade do movimento. No final da manifestação um grupo de 180 policiais atacou os manifestantes, espancando-os e pisoteando-os. Uma bomba estourou no meio dos guardas, uns 60 foram feridos e vários morreram. Reforços chegaram e começaram a atirar em todas as direções. Centenas de pessoas de todas as idades morreram.
A repressão foi aumentando num crescendo sem fim: decretou-se “Estado de Sítio” e proibição de sair às ruas. Milhares de trabalhadores foram presos, muitas sedes de sindicatos incendiadas, criminosos e gângsters pagos pelos patrões invadiram casas de trabalhadores, espancando-os e destruindo seus pertences.
A justiça burguesa levou a julgamento os líderes do movimento, August Spies, Sam Fieldem, Oscar Neeb, Adolph Fischer, Michel Shwab, Louis Lingg e Georg Engel. O julgamento começou dia 21 de junho e desenrolou-se rapidamente. Provas e testemunhas foram inventadas. A sentença foi lida dia 9 de outubro, no qual Parsons, Engel, Fischer, Lingg, Spies foram condenados à morte na forca; Fieldem e Schwab, à prisão perpétua e Neeb a quinze anos de prisão.


*******

Um Cartaz de 2006




*******

Mesmo Velhinhos


*******

A Flor
Lena

6 comentários:

Ludovicus Rex disse...

Viva o 1º de Maio, Viva o Dia do Trabalhador. Lutemos, e dignifiquemos o Trabalho e os trabalhadores...

Feliz Dia do Trabalhador

Antonio Delgado disse...

Amigo Guardião, Excelente postagen esta sobre o dia do trabalhador. Mas não nos devemos esquecer sobre aqueles que lutam por TER UM TRABALHO e aqueles que lutam por TRABALHAR OS OUTROS e têm por vezes, como bens pessoais, tanto como o PIB de Portugal. Passo no seu espaço, para agradecer a postagem deixada no Ecos e Comentários e para dizer-lhe que passarei a frequentar o seu blog que considero de referencia... mas que não conhecia! Farei de imediato um link do meu para O guardião. Cordialmente António Delgado

AnarKa disse...

Lembrar quem trabalha e luta por salários justos e melhores condições de trabalho é importante, como importante também é lembrar que temos muito desemprego e que esse é um dos maiores desafios que temos de enfrentar nos tempos mais próximos.
Abraço

jpg - o sineiro disse...

ViVa o Trabalhador Responsável e Sério.

Abaixo os oportunistas que querem viver do trabalho dos outros, encostando-se ao subsídio de desemprego!

FELIZMENTE, os primeiros ganham por goleada!

Um abraço.

Laurentina disse...

Adorei este post ...mas os cartazes estão demais!
5 estrelas
Boa semana
Beijão grande

Rui Luís Lima disse...

olá!
gostámos do cartoon:)
um abraço cinéfilo
paula e rui lima