terça-feira, maio 30, 2017

O ASSÉDIO

Ainda há pouco a conversa no café andava em torno do assédio sexual e do assédio moral nos locais de trabalho, e como sempre o ponto mais controverso era se eram os homens ou as mulheres as principais vítimas.

Pelo que pude consultar através do telemóvel, tudo terá começado por causa de um estudo que será debatido na Assembleia da República e que terá sido promovido pela Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego (CITE) e desenvolvido pelo Centro Interdisciplinar de Estudos de Género do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas.

Independentemente dos resultados apresentados e das percentagens registadas, que nem sequer discuto, parece-me que o foco da atenção está claramente deslocado, já que a comparação de percentagens de homens e mulheres vítimas do assédio, dá sempre como resultado a discussão de qual o género mais ofendido.


Para mim o assédio moral e o sexual é sempre condenável, seja qual for o género da vítima e ponto final. Deixem-se de distinções de sexo e debrucem-se sobre as formas de identificar e punir os agressores, também sem qualquer distinção de sexo, que só assim se acabará com estes comportamentos e se fará Justiça.


1 comentário:

Anónimo disse...

Conheço chefes homens que são umas pestes, mas também conheço chefes mulheres que não lhes ficam a dever nada. Também não acho que deva haver uma competição de sexos nesta matéria mas sim a concentração de vontades para acabar com o assédio.
Joca