quinta-feira, novembro 20, 2014

OS PRIVILEGIADOS DA POLÍTICA



Um trabalhador vulgar trabalha uma vida inteira, e desconta, para ao fim de mais de 36 anos de trabalho, ou mais, e já em idade avançada, agora tendo como referência os 66 anos de idade, ter direito a uma reforma que, na melhor das hipóteses, será de um pouco menos de 80% do salário que auferia anteriormente.

Nos últimos anos as reformas têm sido alvo de cortes, que derivam de novas fórmulas de cálculo, no sentido de serem “comportáveis”, na linguagem dos governos, que para que não haja dúvidas, tem sido composto por gente do PSD, do PS e do CDS.

Os senhores ministros e os deputados destes partidos, que são tão lestos em cortar as reformas devidas a quem descontou para as ter, e que invocam o interesse superior da sustentabilidade do sistema de Segurança Social, são os mesmos que instituíram as pensões vitalícias para si próprios, e que agora aprovaram o seu regresso.

A hipocrisia e a falta de vergonha destes senhores não têm limites, pois não hesitam em cortar a quem ganhou o direito a reformas para as quais descontou, mas se outorga o direito de receber subvenções vitalícias, para as quais não descontaram, que acumulam com reformas, como se a sua subsistência disso pudesse depender.

Quem paga as subvenções destes senhores? Nós, que vemos as nossas reformas cortadas por eles…



2 comentários:

Anónimo disse...

Os mamões estão em volta da marmita e servem-se até se empanturrarem
Lol

AnarKa

Elvira Carvalho disse...

Os vampiros atacam de novo.
Um abraço e bom fim de semana