sexta-feira, novembro 01, 2013

RAINHA DONA AMÉLIA



Maria Amélia Luísa Helena de Orleães nasceu a 28 de Setembro de 1865 em Twickenham, Inglaterra. D. Amélia era a filha primogénita de Luís Filipe, conde de Paris (neto do último rei de França) e de Maria Isabel de Orleães- Montpensier, infanta da Espanha, filha do duque Antonio de Montpensier.


Casou com o rei português, D. Carlos, em 1886. Vinda de França de comboio, chegou à Pampilhosa a 18 de Maio de 1886, onde terá descido com o pé esquerdo, segundo rezam os relatos. O casamento realizou-se no dia 22 de Maio na igreja de S. Domingos.


Até 1889 o casal real residiu no Palácio de Belém, onde nasceram os três rebentos: D. Luís Filipe, D. Maria e D. Manuel.


Senhora de uma educação esmerada dedicou parte da sua vida a causas humanistas, como a criação de sanatórios, lactários, cozinhas económicas e creches. Algumas das suas obras mais conhecidas são as fundações do Instituto de Socorros a Náufragos, do Instituto Câmara Pestana, da Assistência Nacional aos Tuberculosos e o Museu dos Coches Reais, que só tem rival na da antiga corte russa.


D. Amélia e D. Carlos receberam, na sua residência do Paço de Sintra, personalidades das mais importantes da época como o imperador Guilherme II da Alemanha, o rei Afonso XIII de Espanha, a rainha Alexandra de Inglaterra, e o Presidente da República Francesa Emílio Loubet.


D. Amélia gostava de pintar de desenhar, sendo bem conhecida a sua colecção de desenhos do Paço de Sintra.


No dia 1 de Fevereiro de 1908, a carruagem em que seguia a família real foi atacada a tiro por dois homens, Manuel Buíça e Alfredo Costa, resultando deste atentado a morte do rei D. Carlos e do herdeiro D. Luís Filipe.


Após o regicídio, D. Amélia apoiou o seu filho D. Manuel II, que subiu ao trono com apenas 19 anos de idade.


Com a Revolução de 5 de Outubro de 1910, D. Amélia exilou-se em Inglaterra e depois em França, onde viria a falecer a 25 de Outubro de 1951, com 86 anos de idade. Logo após o fim da II Guerra (1945), a rainha ainda veio a Portugal, visitando Fátima e todos os lugares a que se sentia ligada, excepto Vila Viçosa.

A última rainha de Portugal está sepultada no Panteão dos Braganças, no Mosteiro de S. Vicente de Fora, em Lisboa.


2 comentários:

MARIA disse...


Dona Amélia foi uma rainha corajosa, trabalhadora e uma mulher infeliz.

Gilberto Fernandes Teixeira Teixeira disse...

Quantas "belas histórias" tem nossos patricios portugueses?