sábado, maio 26, 2007

EXPLICAR O INEXPLICÁVEL

O senhor Paulo Macedo vem hoje explicar a razão da criação duma Base de Dados para as situações de greve. Depois de já termos ouvido outras explicações, vem agora este senhor dizer que esta servirá para efectuar de imediato os respectivos descontos pois isso não estava a ser feito dum modo expedito, demorando por vezes alguns meses até que os descontos fossem efectuados.
O senhor Paulo Macedo, a quem alguns teceram rasgados elogios nos últimos meses, ao pretender justificar esta medida de cariz político e repressivo, está a menosprzar a inteligência dos portugueses. Podia e devia sair em beleza, sem se enredar nesta trama injustificável.
Argumentar com o atraso nos respectivos descontos, sugerindo que a base de dados o evitaria, leva-nos a pensar que o tão competente senhor desconhece a realidade da maioria dos serviços, onde os descontos e os pagamentos do trabalho extraordinário são efectuados apenas no mês seguinte aquele a que dizem respeito. Esta situação é normal pois há que validar as faltas e os seus justificativos, bem como justificar o trabalho extraordinário. Há serviços onde este processamento não é feito dentro destes prazos, mas isso deve-se à crónica falta de verbas, que é um outro problema recorrente, de que se queixam os trabalhadores mas que Paulo Macedo finge ignorar.
Por último, mas talvez ainda mais importante, é o facto dos pagamentos e dos descontos serem feitos em cada serviço ou ministério, em sistemas informáticos diferentes, pelo que a dita base de dados em nada irá agilizar os processos.
Está bem claro para todos nós que este registo é ilegal, pois a sua única utilidade será a de ter um cadastro completo dos trabalhadores que aderem a greves. É muito grave o que se está a passar e revela bem a intenção do governo de intimidar os trabalhadores que possam optar por um direito que está consagrado na Constituição.

««« - »»»
Fotografia
Hriack
««« - »»»

Cartoon Internacional

A ignorância informática - Hugo by Laerte

A visão de Almeida Santos

6 comentários:

Sulista disse...

É muito triste de ver que este PS está a fazer coisas que a Dtª portuguesa nunca sonhou fazer...depois do 25Abril!

...preocupante. Muito preocupante!





Bom domingo

Joca disse...

Será que também está preocupado com o atraso no pagamento de feriados e outro trabalho extraordinário? Ainda só na semana passada recebi o que era referente a Dezembro de 2006. Base de dados uma pinóis, é isso sim uma lista negra dos que fazem greve.
Estou fulo

Jorge Borges disse...

Ora aí está: uma base de dados ilegal, que vai interferir com um direito constitucional e que deveria ser submetida à apreciação do próprio Tribunal Constitucional, não sei bem por que vias. Mas que esta questão merece uma avaliação desse nível merece. Já era tempo de deixarmos o anedotário político nacional e fazer como a Helena Roseta: tomar os assuntos à séria! Pô-los mesmo entre a espada e a parede.
Um abraço amigo

Zé Povinho disse...

A base de dados com que eles não se importam é a dos intereses dos próprios e dos que eles nomeiam.
Fogem, esquecem-se, não precisam de comprovar nada e fica por isso mesmo. Há sempre um sobrinho na Suíssa ou nas Ilhas Caimão.
Abraço

Meg disse...

Cadatro completo dos trabalhadores que aderem à greve = a Intimidação.
Segue-se a Retaliação? E depois?
Um abraço

J.G.Sineiro disse...

Não te preocupes muito, pá. Isso é passageiro...

Nas próximas eleições, como os gajos voltam a vencer esta m.... por falta de comparência dos opositores, deixa que eles tiram esse direito da constituição e pronto!
Acabam-se estas discussões num instante...

Concerteza! Viva O Sr. Ministro.., e todos os senhores ministros e o Presidente da República e esses senhores importantes todos.

Acabem com os comunas, essa malandragem!
Greve? Olha...olha...o que é lá isso? ai, ai,ai, ai,... Ai temos que lhes mandar os cavalos e os jactos d'água temos...mas onde é qu'isto já se viu, pá, na Europa ca Comunidade, pá! Do FMI, pa' Do Internacionalismo do Fundo Monetário?
Banqueiros de todo o mundo, Uni-vos!

Acabei.

Um abraço cavernoso.