segunda-feira, dezembro 04, 2017

FANATISMO RELIGIOSO

Na sequência da expulsão dos judeus de Portugal, por decreto de 5 de Dezembro de 1496, só lhes restavam duas opções, sendo a mais óbvia a fuga, e depois a conversão proposta por D. Manuel para se evitar a fuga de capitais do país.

A opção da conversão, em muito facilitada por D. Manuel que tentou proteger ao máximo os cristãos-novos, tentando a sua integração na sociedade portuguesa, encontrou dois obstáculos, o primeiro a resistência natural dos judeus, e outro mais perigoso, que era a intolerância religiosa.

A 19 de Abril de 1506, domingo de Pascoela, e segundo Damião de Góis, os cristãos-velhos reunidos na Igreja de S. Domingos, à espera de um milagre anunciado, terão visto uma luz a brilhar no cruxifixo da igreja, mas houve uma pessoa que terá dito tratar-se dum reflexo das candeias acesas na igreja. Tratava-se de um cristão-novo, o que para a populaça significava que era um judeu, pelo que foi arrastado pela rua e queimado no Rossio, bem como o irmão que teria vindo em seu socorro.

Um frade dominicano fez um discurso contra os judeus, logo secundado por dois frades, Frei João Mocho e Frei Bernardo, que gritaram “Heresia! Heresia! Destruam o povo abominável!” e incendiaram os ânimos da populaça.


A isto seguiu-se um massacre, e a turba arrombava as portas, em busca de cristãos-novos, violando e matando milhares de pessoas (António Borges Coelho), e carregaram mortos e vivos para fogueiras ateadas no Rossio e na zona ribeirinha. A matança e a pilhagem duraram 3 dias seguidos. 



Uma das duas únicas gravuras sobreviventes ao Terramoto de Lisboa 1755 e ao incêndio da Torre do Tombo: “Da Contenda Cristã, que recentemente teve lugar em Lisboa, capital de Portugal, entre cristãos e cristãos-novos ou judeus, por causa do Deus Crucificado”

Sem comentários: