sábado, junho 09, 2012

GLOBOS CELESTES

Depois de ouvir um chorrilho de disparates enquanto visitava um dos nossos palácios nacionais, onde se encontra um magnífico globo celeste da autoria de Christoph Schlissler, resolvi deixar aqui uma referência a estes magníficos instrumentos que nos mostravam as constelações conhecidas. 

Já se conhecem globos celestes desde os tempos da Grécia Antiga, quer por escritos quer pela existência física de um que chegou até aos nossos dias. Esta raridade é o Atlante Farnese, uma esfera de mármore sobre os ombros de Atlas, que está no museu arqueológico de Nápoles.

As representações constantes dos globos mais antigos mostram as constelações segundo Ptolomeu, ou seja, apenas 48 constelações. As estrelas eram representadas por pontos cercados por uma linha divisória, o que viria a ser alterado já no século XVI por influência de Albrecht Dürer, que representou as constelações com imagens ilustradas e coloridas. 

O globo celeste em exposição no Palácio da Vila de Sintra, fabricado por Christoph Schlissler em 1575, segundo consta do sítio da instituição, é muito interessante, ainda que esteja incompleto. 

No Louvre existe um outro globo celeste, muito parecido com o de Sintra, no seu aspecto geral, que contudo é mais antigo (1145?) e portanto ainda sem a riqueza da decoração introduzida após Dürer.

««« - »»»
IMAGENS CURIOSAS DE DÜRER

Albrecht Dürer desenhou um rinoceronte, que nunca viu ao vivo, a propósito do animal que D. Manuel I pretendia oferecer ao Papa. 

O artista alemão também desenhou e pintou este láparo, talvez adivinhando que Portugal iria ser governado por um... Coelho.
 

6 comentários:

Metalurgia das letras disse...

O mais incrível desta história é de como estes dois animais se parecem...

Anónimo disse...

Sem bagagem para discutir a matéria fico-me pela curiosidade assinalada de o artista ter adivinhado que surgiria um coelho para nos comer as cenouras todas...
Bjos da Sílvia

Anónimo disse...

A estátua de Atlas está no museu arqueológico de Nápoles. Desculpa a correcção.
Palaciano

O Guardião disse...

Num post a informação é sempre simplificada, naturalmente, pois citei uma estátua romana que reproduz algo que seria originalmente grego, mas reconheço que fiz confusão no sítio onde se encontra, que corrigirei daqui a pouco.
É sempre bom saber que há leitores atentos e interessados.
Cumps

São disse...

Por favor, não me fale(m) na incompetência dos guias dos monumentos(quando existem...): tive a minha dose !

Bom domingo

O Guardião disse...

Por acaso era uma guia intérprete, ou guia turística, como queiram, que se estava a "enterrar" com explicações desnecessárias e incorrectas perante uma audiência mais do que desinteressada.
Este post apenas prtende ser didático sem ser maçador.
Cumps