sexta-feira, janeiro 13, 2012

A VERDADEIRA LIBERDADE DO HOMEM

Nunca acreditei que a liberdade do homem consiste em fazer o que quer, mas sim em nunca fazer o que não quer, e foi essa liberdade que sempre reclamei, que muitas vezes conservei, e me tornou mais escandaloso aos olhos dos meus contemporâneos. Porque eles, activos, inquietos, ambiciosos, detestando a liberdade nos outros e não a querendo para si próprios, desde que por vezes façam a sua vontade, ou melhor, desde que dominem a de outrem, obrigam-se durante toda a sua vida a fazer o que lhes repugna, e não descuram todo e qualquer servilismo que lhes permita dominar.

Jean-Jacques Rousseau, in 'Os Devaneios do Caminhante Solitário'


««« - »»»
Imagem - Dália recortada

««« - »»»
Humor - O Hábito e o CEO

6 comentários:

elvira carvalho disse...

Um texto muito interessante que não conhecia.
Um abraço e um ano tão bom quanto o deseje. Especialmente com muita saúde.

Metalurgia das letras disse...

“A nossa época é a época da crítica, à qual tudo tem que se submeter. A religião, pela sua santidade e a legislação, pela sua majestade, querem igualmente subtrair-se a ela. Mas então suscitam contra elas justificadas suspeitas e não podem aspirar ao sincero respeito, que a razão sóconcede a quem pode sustentar o seu livre e público exame”. Kant
Para mim a “verdadeira liberdade do homem” está em saber que o meu semelhante poderia ser eu mesmo. E mesmo que fosse “servo” ou “patrão” os nossos direitos deveriam ser respeitados. Afinal uma sociedade representa o que o homem tem de melhor, lembremos do primeiro mandamento . “Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento. Este é o grande e primeiro mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo” Portanto não retiremos a liberdade do próximo para nosso deleite.

HORIZONTE XXI disse...

A liberdade é um estado natural do homem, tudo o que foi sendo construido ao longo dos tempos são formas diversas de condicionamento.
Abraço livre.

Anónimo disse...

Pretender dominar sem escrúpulos em pisar os outros depende muito da capacidade de resistência dos oprimidos, que podem escolher o servilismo amorfo ou o repúdio sempre que a canga se torna demasiado pesada.
Bjos da Sílvia

São disse...

Desconhecia o texto, que é interessante.


Bom final de semana

C Valente disse...

Liberdade, liberdade. Só se for a Avenida, que de resto é só palavras
Saudações amigas e bom ano