sexta-feira, dezembro 16, 2011

A PANACEIA DA CREDIBILIDADE

A Constituição tem sido usada como desculpa para a ineficácia dos governos, que dizem sempre ser necessário alterá-la para conseguirem atingir determinados objectivos.

Passos Coelho vem agora com a sua “regra de ouro” dizer que é preciso inscrevê-la na Constituição, para credibilizar os compromissos assumidos nos pactos de estabilidade e crescimento.

Estranho motivo este, invocado por quem não cumpre os seus compromissos para com os cidadãos deste país, desrespeitando mesmo a Constituição que jurou defender.

As palavras bonitas “tal como as dívidas são para se pagar, os acordos são para se cumprir” ficam bem na boca de quem preza a sua palavra e cumpre as suas promessas, e disso Passos Coelho não se pode gabar nem orgulhar.

««« - »»»
Experiências
By Palaciano
««« - »»»
Humor em Tempos de Crise

5 comentários:

zeparafuso disse...

“tal como as dívidas são para se pagar, os acordos são para se cumprir". Serão? (Pelo menos os acordos). O nosso PM tem cumprido? Contarão só os que o PM entende? Provavelmente sim! Só contarão aqueles que Passos Coelho entende. Passos Coelho não ficará satisfeito enquanto os trabalhadores não forem "pedir esmola" por esse mundo fora. Parece que tem prazer em contradizer tudo aquilo que prometeu (quando era oposição).
Cumprs.

C Valente disse...

Constituição tem sido usada como desculpa.. principalmente àqueles quando no momento lhes convém , mas de resto é assassinada pelos políticos
Saudações amigas

Anónimo disse...

P gajo é um mentiroso compulsivo e vem falar de credibilidade? É preciso descaramento.
Lol

AnarKa

Pata Negra disse...

Já que são tão verdadeiros com os estrangeiros digam-lhes - nós não ouviremos: não se preocupem como o que está escrito na nossa constuição que nós também não!

Um abraço por uma constituição que não sirva só para jurar mas também para cumprir

Metalurgia das letras disse...

“tal como as dívidas são para se pagar, os acordos são para se cumprir" É o pior que fazem a conta no nome dos outros... Este "povo" deve ter muito dinheiro afinal sempre sobra para ele pagar as contas...