segunda-feira, outubro 26, 2009

POBRE NOBEL

Desde os bancos da escola até aos escolhos da vida, aprendi a analisar as coisas em função da época e das condições em que estas surgiram. Quando o meu interesse pela História se tornou mais evidente e comecei a prestar mais atenção às artes (pintura, escultura, etc.), e aos acontecimentos históricos mais relevantes, comecei a entender que a evolução dos costumes e do pensamento são resultado do que aconteceu e ao mesmo tempo influenciaram tudo o que o homem fez, de bom e de mau.

Recentemente fiquei um pouco espantado com a intenção de alguns sábios que puseram em causa o trabalho do nosso 1º Nobel, Egas Moniz, porque aquilo que parecia à época um avanço real na área da saúde não se veio a confirmar, e a sua prática acabou por revelar-se desastrosa. Lembrei-me da dinamite e calculei logo que a sapiência de gente tão iluminada não se detém perante evidências que só ocorrem a espíritos simples.

Outra admiração, talvez ditada por razões publicitárias, foi a tentativa canhestra de Saramago em interpretar literalmente a Bíblia à luz do pensamento actual, porque isso chamava a atenção do público e da crítica para a sua última obra. Gostava de ouvir o escritor falar da Odisseia e da Ilíada, ou de muitos outros escritos de referência, usando os mesmos critérios literais e interpretativos.



««« - »»»
Fotos - Mãos
tgreen

««« - »»»
(Mau) Humor Noticioso

7 comentários:

Anónimo disse...

O censor-mor e herege contumaz, no século XVII iria parar à fogueira, ou talvez tivesse um final ainda pior, mas ainda assim não consegue vislumbrar as diferenças. Os americanos que não gostam do Egas, que até tem outras descobertas no curriculo, mais interessantes que aquela que foi distinguida, não só passaram ao lado da dinamite, como não falam de alguns Nobel da Paz que envergonham a humanidade.
Lol

AnarKa

Ferreira-Pinto disse...

É melhor não dar ideias ao Saramago ... não vá ele chegar mesmo ao período clássico!

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Eu oh! disse...

Gostei deste texto ((*_*))

Bjinhos

Eu Oh!

LopesCa disse...

Estranhei neste post a falta do Obama ;)

Meg disse...

Guardião,

Fico-me pela tentativa canhestra...

Desculpa a intromissão...
mas que praga de anónimos te invadem! Por que não fechas os comentários a anónimos?
Ou utilizas aquela história das letras.
Eu tive de fazer isso e não me aborreceram mais.

Um abraço