terça-feira, maio 05, 2009

OS MUTANTES DA POLÍTICA

Mudar de opinião não é em si mesmo mau ou condenável, mas em política, e devido aos princípios que se defendem, pode ser um pouco complicado. Nada tenho contra quem muda de ideias, mas já contra quem “ se adapta” mandando às urtigas os princípios, tenho as mais sérias reservas, na melhor das hipóteses.

Por vezes ouço algumas pessoas mais novas, ou pelo menos mais crédulas a falar da morte das ideologias e na ascensão do pragmatismo. Será que é mesmo assim, ou estaremos perante “o tal poder de adaptação” que os políticos actuais parecem privilegiar?

Quem sou eu para julgar quem quer que seja, mas fico espantado com a facilidade com que alguns senhores e senhoras mudam de cores, sempre com a mesma convicção nas palavras que lhes ouvimos. Não sei se há muitos que acreditem neles, mas politicamente lá vão eles singrando na vida.

Curiosamente, e porque comecei a escrever pensando em Vital Moreira, acabei por desviar a minha atenção de tão cinzento personagem para reparar que Mário Soares que enquanto governante se bateu por diminuir a influência do papel do Estado na economia, vem agora exigir e defender o contrário. Sei que Soares tem 7 fôlegos (políticos), mas não tenho memória curta para ter esquecido o socialismo metido na gaveta, nem outras coisas que o vi defender no passado.

É o respeito que me faz não caracterizar melhor as cambalhotas, mas continuarei a defender princípios e não partidos, porque a sua lógica tem destas coisas, o que não me agrada nada.



««« - »»»
Fotos -Azulejos do Barroco
By Palaciano

By Palaciano

««« - »»»
Humor e Farturas

6 comentários:

R. Rudoisxis disse...

Gostei do texto e da análise feita aos "vira-casacas da politica".
Desiludido com os politicos, sem filiação partidária, penso que os principios e ideologias politicas (desses senhores)se concentram na procura do poder, no adquirir influências como se fossem titulos do tesouro que se convertem fácilmente no vil metal a que chamamos dinheiro o qual quer queiramos quer não é por si só o senhor do mundo em que vivemos. Na sua essência eles não mudam e à semelhança do que acontece nos clubes do futebol com os jogadores profissionais o amor clubistico não existe.
Que mais lhe poderei dizer caro amigo? É a minha análise de algo que salta à vista, e penso estar certo. Felizmente ainda existem excepções e há quem viva ideais e principios politicos, mas são tão poucos e encontrá-los será tarefa igual a encontrar uma agulha num palheiro.
Um abraço

ana p roque disse...

Concordo,defender princípios e não partidos.
Os partidos mantêm as suas cores,já não
acontece o mesmo com alguns dos seus
filiados.Acho saudável que ao longo da vida
se mude,até porque faz parte da evolução do
ser humano,mas passar do 8 ao 80,por conveniência,
é mau,é falta de princípios.

Os ideais perderam-se com o passar dos anos,
o poder corrompe,porque a ética também desapareceu,
ou quase.

Boa semana.

cumps

Alexa disse...

O que vamos dizer mais o R.Rudoisxis disse tudo. Adoreios cartons e os azulejos tão portugueses.

beijo

Anónimo disse...

Quando os interesses se sobrepõem aos princípios a política assume um carácter abjecto, tão abjecto quanto os maus elementos que dela se servem em benefício próprio.
Lol

AnarKa

Anónimo disse...

Ia jurar que tinha visto fotografias do Palaciano noutro lado, e não eram de azulejos. Será que há alguma exposição e eu não sei de nada?
Bjos da Silvia

Isamar disse...

Princípios? Valores? Mudam-se hoje como quem muda de casaca ou de vestido. E , às vezes, as cambalhotas são tão grandes que não há palavras que as expliquem. Confio nalguns políticos.Naqueles que levaram uma vida ligados a ideais que nunca chegaram a concretizar e a quem a morte levou sem que jamais tivessem dobrado a cerviz ao poder.
Para esses vão os meus aplausos.
Bem-hajam porque por eles posso estar a escrever o que quero.

Bem-hajas, Guardião!

Gostei muito do teu texto!

Um abraço