terça-feira, dezembro 25, 2007

CHAPLIN


CHAPLIN – 30 ANOS

Faz hoje precisamente 30anos que Charles Chaplin nos abandonou. Nascido em Londres, em 16 de Abril de 1889, filho de família humilde, passou parte da infância num orfanato. A sua primeira aparição no palco ocorreu aos cinco anos, cantando uma canção em substituição de sua mãe Hannah que se encontrava doente.
Trabalhou durante a infância e na adolescência, foi para os Estados Unidos em 1910 e dois anos depois uniu-se à Keystone Company onde iniciou a sua brilhante carreira em Hollyood.
Em 1919 fundou a United Artists, em sociedade com outros artistas como Mary Pickford e Douglas Fairbanks passando então a produzir longas-metragens.
Alguns dos seus filmes mais marcantes, como ‘Tempos Modernos’ e ‘O Grande Ditador’ granjearam-lhe a fama de subversivo, comunista mesmo, tendo sido impedido de regressar ao Estados Unidos, onde só regressou para receber o Óscar pela sua carreira em 1972.Charles Chaplin morreu no dia de Natal de 1977, aos 88 anos, na Suíça


Restos de Colecção

Delize

Barrigue

7 comentários:

Sophiamar disse...

Inesquecível.Passámos horas a rir com os seus filmes. Génios que ficam connosco para sempre.Recordá-lo é um dever e um prazer.

O Natal está de saída. Não deixemos que com ele partam a magia,a solidariedade, a amizade que o envolvem. Agarremo-las para o ano inteiro.
Beijinhos

Savonarola disse...

E viva a irreverência inesquecível de Charles Chaplin. Hoje em dia, a 7ª Arte passou a reverenciar o sistema: é este que lhe paga as produções, pudera!
Um abraço amigo

Sílvia disse...

Gostei desta evocação em pleno dia de Natal. Poucos se lembraram da efeméride, ainda que muitos se tenham deliciado com os seus filmes.
Bjos

MARIA disse...

Justa e bonita homenagem.
Que bem lembrado .
Chaplin deixou mesmo a sua marca singular na história da humanidade e se muitos méritos não lhe reconhecessemos, esse já faria dele um respeitável herói.
Morrer no dia de natal é mesmo de quem tinha uma espécie de predistinação para ser notado ou para se tornar notado...
E foi notável, realmente.
Pena que ao que se diz se portasse um pouco mal com as mulheres : parece que lhes batia...
Em todo o caso, foi genial e a sua lembrança é muito oportuna, generosa e justa, como são alias características notórias do amigo Guardião .
Um bj, continuação de boas festas.
Maria

Meg disse...

Caro Guardião,

Este é um homem que não morreu.
Porque viverá para sempre nas nossas memórias.
É pena que não seja conhecimento destas novas gerações, o seu percurso nos EUA, as perseguições que sofreu. Porque este homem falou de "humanidade", já naqueles tempos (modernos).

Que tenhas tido um bom Natal e que os docinhos não te tenham feito mal.

Um abraço

Sophiamar disse...

As tuas palavras, sempre bem vindas lá no meu mar, tiveram o sabor a um doce de Natal.Obrigada por tudo e sobretudo pelo humor com que criticas alguns fragmentos do nosso quotidiano que faz com que saia daqui, muitas vezes, a sorrir.

Beijinhosssssss Zé

Mocho-Real disse...

Um ícone do cinema mudo!
O Grande Ditador e A Quimera do Ouro são filmes que nunca mais se esquecem.

Um abraço e que tenha passado um Dia de Família em harmonia e paz, como devem ser sempre todos os dias.

Cumprimentos.