segunda-feira, julho 12, 2010

ANTÓNIO ALEIXO

Falemos sinceramente,
Como p'ra nós mesmos, a sós;
Lá longe de toda a gente,
Do mundo, e até de nós

Mentiu com habilidade,
fez quantas mentiras quis;
agora fala verdade,
ninguém crê no que ele diz



««« - »»»
Vozes de Burro...


««« - »»»
Pintores Espanhóis
Arquimedes de José de Ribera

Francisco de Zurbarán

4 comentários:

Anónimo disse...

Um poeta popular cujas verdades são bem actuais. Pintura bem soturna...
Bjos da Silvia

Daniel Santos disse...

muito bem e no alvo.

MARIA disse...

Bem lembrado! Oportuno ....

Um beijinho amigo

Vieira Calado disse...

Fui rei, subi ao trono;
e hoje volto para rua,
entrego a casaca ao dono
e a miséria continua.

Ant. Aleixo

Depois de ter recebido um prémio literário.