quinta-feira, fevereiro 05, 2009

UM EXEMPLO

Todos puderam ouvir nas notícias televisivas, o presidente dos EUA, Barak Obama, reconhecer que errou nas escolhas para a sua administração, por não ter acautelado todas as situações e por se ter precipitado em algumas escolhas de pessoas, capazes na sua opinião, mas sob suspeita por fugas ao fisco, que embora já regularizadas não apagam de todo a intenção de defraudar, ou revelam o desleixo perante as obrigações cívicas, que não são compatíveis com as escolhas para a governação.

Quer o pedido de desculpas por parte dos infractores, quer o reconhecimento de erros de análise de alguém que acabou de ser legitimado como presidente duma nação, são sinais muito poderosos sobre o perfil exigível a quem se propõe a desempenhar altos cargos governativos.

Não pretendo ser moralista, nem tão pouco justiceiro, mas tenho que constatar que em Portugal estamos a anos-luz de ter estas preocupações e escrúpulos no desempenho de cargos públicos.



««« - »»»
Fotografia e Fruta Verdadeira
Retirada da Net
Pavel Makeev
««« - »»»
Humor de Mordillo

10 comentários:

Papoila disse...

Querido Guardião:
Subscrevo a tua crónica de hoje. Foi com admiração que ouvi Barak Obama assumir que errou.
Concordo plenamente que estamos a uma distância abissal de atitudes de Estado como esta.
Os cartoons deliciaram-me.
Beijos

Templo do Giraldo disse...

Ora viva amigo boa tarde. Depois de algum tempo de ausência da minha parte passei por aqui a deixar um abraço fraterno, e dizer que que ando "por ai" mas sempre atento as novidades aqui do teu espaço.

SAUDAÇÕES.

Anónimo disse...

Enquanto tentam misturar ética e moral com política, como se esses fossem valores que respeitassem, os nossos políticos comportam-se como lapas, agarrados ao poder, do qual se servem em vez de servirem.
Bem podiam aprender com este exemplo e com outros da Europa do norte, que tantas vezes invocam, quando lhes convém.
Bjos da Sílvia

Ferreira-Pinto disse...

Então?
É certo e sabido que as "modas" demoram um certo tempo a cá chegar.
Esta nem sequer sei se chegará ... mas aqui também a opinião pública pode e deve ter um papel mais interveniente!

Anónimo disse...

O pinócrates ganhou o nome fazendo exactamente o contrário.
Lol

AnarKa

o escriba disse...

Estas atitudes não são exequíveis para os nossos governantes porque a mentira e ambição do poder funcionam como os entreolhos dos asnos.

Bom fim de semana
Um abraço
Esperança

Miki disse...

Esperemos que o Obama cumpra o programa a que se propôs(especialmente para os USA),o que é preciso é não endeusar o man!!!
Obrigada pela visita
Kissu

Jorge P.G disse...

Meu caro Guardião:

Este é o tipo de notícias que deveriam ser abertura de telejornais e parangonas dos jornais. Não são. Porquê?

Bfds.
Cumps

C Valente disse...

grande verdade, é a diferença entre os grandes e pequenos homens
saudações amigas

Carlos Rebola disse...

Por cá a coisa seria resolvida rapidamente com um louvor ou uma condecoração e reforço das impunidades, digo, imunidades políticas, simplesmente porque existe “uma simples razão” (esta está na moda), o sujeito é uma pessoa de bem e só estão a querer manchar o seu bom nome, temos tantos exemplos, que a memória já se esgotou...

Abraço