sábado, agosto 27, 2016

NATUREZA

A natureza nunca nos engana; somos sempre nós que nos enganamos.

Jean Jacques Rosseau


Rosa By Palaciano

Rochas By Palaciano

terça-feira, agosto 23, 2016

JUVENTUDE E CULTURA

Os jovens portugueses não são grandes frequentadores de museus, palácios e monumentos, se excluirmos as visitas em âmbito escolar, e isso não é um bom sinal para o futuro.

Há quem justifique que é por causa do preço das entradas, apesar dos descontos para estudantes e para o cartão jovem, há quem diga que a Cultura não é atractiva para os jovens, e ainda há quem diga que não há dinheiro para promover a Cultura junto da juventude e que isso sai muito caro.

Os italianos, que atravessam também uma grande crise, de que pouco se fala por cá, pensam de modo diverso, e parecem dispostos a conceder aos jovens que completem 18 anos em 2016, a quantia de 500 euros para gastar em Cultura.


A medida pode ser discutível, mas digam-me o que é que se faz por cá para motivar os jovens a conhecer o nosso Património?


domingo, agosto 21, 2016

HUMILHAÇÃO

O governo português passou por uma grande vergonha com as observações feitas pelo BCE quanto aos administradores escolhidos para a CGD.

Passar pelo vexame de ser o BCE a recordar o que diz a nossa legislação quanto às acumulações, é mau, mas o mais humilhante foi ter a recomendação de mandar alguns escolhidos frequentar uma formação específica sob o risco bancário, recomendação inédita tanto quanto se sabe.

Foi uma semana negra para o país, e nem falo das projecções sobre as perdas do BPN, que continuam a subir enormemente...


sexta-feira, agosto 19, 2016

AFINAL É SÓ QUERER…

Quantas vezes já todos ouvimos dizer que “não há nada a fazer”, ou “lamento, mas a lei não prevê o seu caso”, quando temos um problema e a razão está claramente do nosso lado? Depois destas frases lá surge o inevitável, “sabe como são as coisas, existe muita burocracia, e daqui até à aprovação duma nova lei…”.

Tudo parece difícil e moroso quando estão em causa os interesses do cidadão comum. O processo legislativo é sempre “muito complexo”, e o tempo que decorre desde a proposta legislativa até à aprovação e promulgação de uma lei, é sempre uma eternidade e pelo caminho pode encontrar inúmeros escolhos.

Na realidade as coisas nem sempre são assim tão difíceis e tão complicadas, como se pode ver com a lei que impõe limitação à acumulação de cargos para administradores do banco público, porque o governo já decidiu mudar a lei para poder nomear mais oito administradores, que devido à lei e ao BCE não foram agora aprovados.

Não acredito que não exista mais ninguém com conhecimentos, capacidade, e sem incompatibilidades para os lugares em causa, mas pelos vistos o senhor ministro das Finanças quer estes e por isso muda-se a lei sem qualquer problema.


Alterar uma lei é difícil? Só quando os governantes querem, como se percebe...  


quarta-feira, agosto 17, 2016

CURIOSIDADE - BIBLIOTECAS

É muito curioso que tenha sido o mesmo rei, D. João V, a mandar construir as duas maiores e mais belas bibliotecas de Portugal.

A importância das obras da biblioteca de Mafra foi reconhecida pelo papa Bento XIV, que concedeu uma Bula que para além de proibir sob pena de excomunhão, o desvio ou empréstimo de obras impressas ou manuscritas sem licença do Rei de Portugal, concede-lhe autorização para incluir no seu acervo livros proibidos pelo Index.

Biblioteca de Mafra

Biblioteca Joanina, Coimbra

segunda-feira, agosto 15, 2016

FOTOS

Reflexos by Palaciano*


                                                                                            Reflexos1 by Palaciano*

sábado, agosto 13, 2016

PROMESSAS POR CUMPRIR NA CULTURA

A Cultura teve direito a um ministério, e foi notório o foguetório de promessas que surgiram de imediato, deixando quem anda nestas coisas com a pulga atrás da orelha.

Em geral o tempo costuma ser o melhor juiz nisto de promessas, e no sector dos museus, palácios e monumentos as coisas são por demais evidentes.

A promessa do arranjo dos carrilhões de Mafra, está por cumprir, e o tricentenário que se comemora em 2017, decorrerá sem os concertos de carrilhão que todos desejavam ouvir.

A conclusão do Palácio da Ajuda foi outra promessa, que incluía um museu dedicado às Jóias da Coroa, também não avançou, e nem se fala no assunto.

Estas duas promessas estavam de algum modo ligadas à indemnização recebida por causa do roubo das jóias da coroa, durante uma exposição na Holanda, mas pelos vistos o dinheiro está amealhado, ou então foi gasto, porque as coisas entraram no rol dos esquecidos.

Há mais promessas por cumprir nesta área, por exemplo o complemento multimédia do novo Museu dos Coches, ou a alternativa ao Eixo Belém/Ajuda que também ainda não tomou forma, apesar das críticas ao anterior projecto.


O Verão está no seu auge, os incêndios dominam as notícias, mas haverá sempre quem esteja atento ao que se prometeu e não foi cumprido, senhor ministro da Cultura.