domingo, setembro 17, 2017

sexta-feira, setembro 15, 2017

AS AVALIAÇÕES E A IMPUNIDADE DAS CHEFIAS



Na precisa altura em que muito se fala no descongelamento dos escalões na função pública, e ao mesmo tempo que alguns governantes vão dizendo que não há dinheiro suficiente para esse descongelamento, deixando no ar a possibilidade de vir a ser um processo faseado, eis que veio a público um relatório sobre o impacto do descongelamento.

É explicado no relatório que pelo menos 22.669 trabalhadores não receberam avaliações em 2014 e 2015, pelo que serão penalizados recolhendo apenas 1 ponto por cada ano sem avaliação. Na realidade os números serão superiores a 23 mil funcionários prejudicados, se considerarmos os restantes anos que estarão a ser analisados em 2018, altura em que deve acontecer o descongelamento.

Assim está aberta a hipótese de fasear as progressões que o governo anseia, atirando para canto os direitos de muitos trabalhadores e as responsabilidades dos dirigentes que não cumpriram as suas obrigações, e que pelos vistos saem impunes disto tudo.

Se António Costa e o seu governo pactuarem com isto serão cúmplices duma grande injustiça ou mesmo de uma fraude tendo em conta os seus compromissos e a expectativa criada.

domingo, setembro 10, 2017

O MINISTRO E A DIALÉTICA



O ministro da Defesa demonstrou ser um especialista em dialética, e dando uma extensa entrevista, conseguiu não esclarecer nada sobre o caso das armas desaparecidas em Tancos.

Foi curioso o modo como aligeirou a carga, falando da gestão operacional, da sua esfera de actuação, da não interferência e no dever de recato e na cortesia, confundindo o mais atento cidadão, que só podia ficar confuso.

A confusão ou desnorte parece ter atingido o próprio ministro, que até afirmou “nem sei se alguém entrou em Tancos. No limite pode não ter havido furto”.

Afinal depois deste tempo todo, das demissões e das reconduções, e da abertura de processos disciplinares, ainda não se sabe se foram roubadas, ou não, munições, armas ou explosivos que deviam estar guardados em Tancos? Se isto não é um atestado de incompetência ao exército e à sua cúpula hierárquica, não sei o que será…



quarta-feira, setembro 06, 2017

SUBSTITUIR TRABALHADORES POR ROBÔS

Os grandes bancos estão a ponderar (ou a ameaçar) substituir boa parte dos seus funcionários por robôs, tudo para maximizar os lucros.

A substituição de trabalhadores por máquinas vem aí, e com isso o desemprego de muita gente, sem que a criação de empregos nas novas tecnologias consiga compensar as perdas, o que vai tornar a vida de muita gente um inferno, se tivermos em conta o abandono progressivo de políticas de segurança social.

O humor nesta matéria anda por aí, e é bem mais mordaz do que aqui fica expresso no boneco abaixo.

segunda-feira, setembro 04, 2017

HOMENS E MULHERES SÃO DIFERENTES



Vivemos dias estranhos em que temos de ter cuidado com as afirmações sempre que estão em causa os dois géneros, porque podemos sempre ser mal interpretados.

Todos concordamos que todos devem ter acesso às mesmas oportunidades, independentemente do género de cada um, mas há quem queira ir ainda mais longe em termos de igualdade, e aí eu acho que somos diferentes, e ainda bem, porque assim nos completamos.

O raio da Ciência muitas vezes é tão politicamente incorrecta, como eu, e vai demonstrando que homens e mulheres têm não só características físicas diversas, como também os seus cérebros reagem de forma diferente a estímulos iguais.

Hoje li sobre algumas conclusões dum estudo sobre as mudanças de funcionamento do cérebro de homens e mulheres, depois do abuso de álcool excessivo e prolongado, e as conclusões são interessantes, e nem sequer se pode dizer que são favoráveis aos homens.

Para o bem e para o mal, somos diferentes, mas isso não tem que forçosamente ser errado, porque sem homens e mulheres não existiria futuro para a humanidade…



sábado, setembro 02, 2017

AUSÊNCIA

Este post foi agendado porque não estarei ao computador a esta hora e neste dia. Deixo apenas uma fotografia e não creio que seja das piores.