sexta-feira, fevereiro 27, 2015

AS CONTRADIÇÕES E O BOM ALUNO



Passos Coelho e Pedro Mota Soares vêm agora mostrar-se “ofendidos” com as “contradições” e com a “hipocrisia institucional” da Comissão Europeia devido a um relatório apresentado na quinta-feira, em que aponta que o governo tomou medidas que prejudicaram os mais pobres e que Portugal tem um sistema de protecção social inadequado, que não foi capaz de reagir ao aumento do desemprego e da pobreza.

O governo inteiro podia simplesmente ter concluído que as medidas tomadas estavam erradas, porque deram maus resultados (os apontados pela CE), que era o mais sensato e vai de encontro à opinião da maioria dos cidadãos portugueses.

A realidade é reconhecida pela CE, mas o governo não a quer aceitar, porque sempre se mostrou um “bom aluno” dos burocratas enviados por Bruxelas, tendo-se mesmo gabado de querer ainda mais longe do que era exigido pela troika, teimosia que nos conduziu ao que temos hoje.

Se Passos Coelho tivesse um pingo de inteligência, podia agora usar o relatório da CE para aliviar a austeridade que sufoca Portugal. Mais valia aceitar os erros do passado e enveredar por novos caminhos que conduzissem Portugal ao crescimento, garantindo assim mais emprego e melhor cobertura social, mas o orgulho insano, e fixação numa ideia que já demonstrou ser errada, não o deixa descortinar o que é evidente para a grande maioria dos portugueses.



4 comentários:

Gilberto Fernandes Teixeira Teixeira disse...

Leonard Nimoy, o Spock de 'Jornada nas estrelas', morre aos 83 anos

Pata Negra disse...

foi assim. poderia ser assado? para isso seria necessário que estivessem inocentes! mas não! sabem muito bem o que fazem, porque o fazem e para quem o fazem!...
um abraço sem conversas com essa gente

Pata Negra disse...

foi assim. poderia ser assado? para isso seria necessário que estivessem inocentes! mas não! sabem muito bem o que fazem, porque o fazem e para quem o fazem!...
um abraço sem conversas com essa gente

O Puma disse...

Caça aos Coelhos

mesmo após as urnas