sexta-feira, março 29, 2013

A PÁSCOA E O MEXILHÃO



Quem é que não ouviu dizer que “quando o mar bate na rocha, que se lixa é o mexilhão”? Creio que todos nós sabemos o que significa este ditado popular, e nesta altura de vacas magras, e de aperto forçado do cinto, nem dá para esquecer.


Por estas bandas, na chamada sexta-feira santa, existe a tradição de se comer o mexilhão, cozinhado de várias maneiras, não só para cumprir a tradição de não se comer carne, mas também porque (no passado) o mexilhão era uma alternativa acessível a quem morava junto à costa, para ter uma refeição que não fosse de carne.


É verdade que nos nossos dias já poucos vão à apanha do mexilhão, até porque nesta altura já foi quase todo apanhado nos locais mais acessíveis, pelo que o recurso ao supermercado é uma realidade pela manhã.


A tradição vai-se mantendo, apesar de o mexilhão (o povo), estar cada vez mais frito com a austeridade imposta pelos que causaram a crise que vivemos.

4 comentários:

Metalurgia das letras disse...

Amigo! Tenha uma feliz Páscoa com mexihões magros.

Jorge P.G disse...

Adoro mexilhões. Não sabia dessa interessante tradição.

Então boa mexilhoada e uma Feliz Páscoa!

Cumps

Jorge P.G disse...

Adoro mexilhões. Não sabia dessa interessante tradição.

Então boa mexilhoada e uma Feliz Páscoa!

Cumps

Anónimo disse...

Não gosto de mexilhões e como me lembro que sou um mexilhão, fico imcapacitado de tentar gostar dos ditos.
Lol

AnarKa