quinta-feira, janeiro 18, 2018

O AUMENTO DA IDADE DE REFORMA

Já saiu a portaria que eleva para os 66 anos e 5 meses a idade de reforma dos trabalhadores portugueses em 2019, o que significa que quem pedir a reforma antes desta idade será penalizado.

O governo e os partidos que o apoiam continuam a insistir na injustiça de apenas considerar a idade do indivíduo em detrimento da sua carreira contributiva, o que é uma grande simplesmente inaceitável.

Muitos, como eu, foram trabalhar com a promessa de ter direito à reforma por inteiro com 36 anos de serviço. Mais tarde, e unilateralmente, o Estado decidiu passar dos 36 anos para os 40 de serviço, e agora o mesmo Estado deita a promessa outra vez para o lixo e só fala na idade normal de acesso à reforma, com os tais 66 anos e 5 meses, a partir de Janeiro de 2019.

Fica claro para todos que a intenção é pagar o mínimo possível de tempo de reforma, e mesmo assim quando a qualidade de vida é precária, para os que conseguem até lá resistir.


terça-feira, janeiro 16, 2018

CULTURA - VOLTAR A FALAR DE SEGURANÇA



Os acontecimentos recentes, começando pelo sismo de média intensidade, o incêndio numa associação no centro do país, e a ameaça de derrocada de uma bancada dum campo de futebol, vieram trazer para a actualidade o problema da segurança dos cidadãos em instalações que acolhem público, sejam elas de que tipos forem.


A situação que tenho vindo a denunciar, aqui, prende-se com os museus, palácios, e monumentos, onde a segurança não tem merecido a devida atenção por parte das autoridades.


Existem instalações que não reúnem as condições de segurança previstas na lei, e não falo de todas as exigidas, mas as mais básicas como a sinalização das saídas de emergência, as luzes de emergência e os planos de evacuação, que são um mínimo exigível.


Ainda existem outros aspectos igualmente preocupantes como sejam a formação dos funcionários, a ausência de exercícios ou simulações em conjunto com as autoridades de segurança (Bombeiros, Protecção Civil e outras), e meios de comunicação (rádios ou semelhantes) que permitam uma articulação de esforços em caso de emergência.


Eu sei que falar do assunto incomoda as autoridades da Cultura e os dirigentes dos museus, palácios e monumentos, mas a segurança do público e dos funcionários tem de ser acautelada, e a negligência deve ser denunciada.



quinta-feira, janeiro 11, 2018

NATUREZA

A sabedoria da natureza é tal que não produz nada de supérfluo ou inútil. 

Nicolau Copérnico


segunda-feira, janeiro 08, 2018

SINAIS DE VELHICE

Um dos sinais mais evidentes de que estamos velhos é o de recordarmos com mais frequência pessoas que já não estão entre nós. 

Hoje recordo France Gall e Ray Thomas...


sábado, janeiro 06, 2018

MOSTEIRO DA BATALHA

Começaram as obras de protecção do Mosteiro da Batalha por causa da intensa utilização do IC2, a escassos metros da fachada principal do monumento.

O muro de betão em construção não é consensual, pelo contrário, e se esteticamente é uma aberração, também não reúne apoios por parte dos especialistas, porque em nada defende o mosteiro da trepidação ou da poluição resultante do tráfego automóvel.

Ninguém acredita que esta seja uma solução credível ou tecnicamente aceitável, e seria interessante conhecer-se o teor do parecer (obrigatório) do IGESPAR, que terá sido contactado para a realização desta obra.

Barreira acústica e fachada do M. Batalha

Mosteiro da Batalha (postal antigo)

quinta-feira, janeiro 04, 2018

CURIOSIDADES



A propósito do Hospício de Beaune, e da sua enfermaria, de que falei recentemente, foi-me referido o nome de Nicolas Rolin, chanceler do ducado da Borgonha, que imediatamente se associa à construção do Hotel de deus em Beaune, ao museu Rolin em Autun, e ao quadro “A Madona e o Chanceler”, a óleo, uma novidade nessa época em que a técnica mais comum era a têmpera, pintado por Jan van Eyck.
 

Nicolas Rolin teve um papel importante no casamento de D. Isabel, filha de D. João I, com Filipe, o Bom, duque de Borgonha, que se realizou em 7 de Janeiro de 1430 em Écluse. O pintor Jan van Eyck foi incumbido por Filipe o Bom de visitar Portugal, onde pintou dois retratos de D. Isabel, antes do casamento do duque, retratos esses que se perderam.

Existe apenas um desenho a tinta-da-china sobre papel, do século XVII, cópia do retrato da Infanta.

terça-feira, janeiro 02, 2018

MINISTRO EM LINHA COM A INFLAÇÃO

O ministro do Ambiente, Matos Fernandes, veio justificar o aumento dos transportes públicos com a afirmação de que estes estão “absolutamente em linha com a inflação”.

Estou em crer que o senhor ministro veio provar que o Governo tem ministros a mais (o seu número está inflacionado), porque o tal aumento não está “absolutamente em linha com a inflação”, como se pode verificar comparando os preços, e o argumento da inflação foi o pior que ele podia usar, pois lembra que o executivo a que pertence não acautelou minimamente que os salários dos seus funcionários era aumentado, pelo menos tendo em conta a inflação de 2017.

Quando será que algum Governo anuncia ao que vem, com verdade, e não esconde medidas desta natureza revelando-as apenas em épocas festivas, ou de férias, para que passem mais ou menos ao lado dos noticiários? Lembram-se do que disseram sobre a austeridade e sobre os aumentos de impostos antes de se apresentarem a eleições?


Todos diferentes, todos iguais.