domingo, novembro 12, 2017

TRAPALHADAS NA CULTURA



Tudo o que envolve a política e os políticos que temos, e não é só na Cultura, acaba sempre num atira culpas para lá e para cá, em que todos se dizem isentos de culpa, ou todos reclamam a paternidade dos sucessos.

O jantar no Panteão Nacional que tanto brado causou é apenas um dos exemplos, talvez o mais recente. O anterior governo fez um regulamento e autorizou outros jantares no mesmo local, e este também viu os responsáveis por si nomeados, autorizarem este jantar, que afinal era uma actividade “indigna” daquele espaço, segundo António Costa, e Marcelo Rebelo de Sousa.

Eu considero que autorizar este ( e outros) jantares naquele espaço foi um disparate imenso, como acho um disparate fazerem-se jantares à luz de velas em espaços monumentais, até com tectos pintados, autorizar raves num museu nacional, ou permitir aparelhagens sonoras em altos berros para se fazer um aquecimento de atletas ao som da zumba, mesmo à porta duma Basílica, ou sessões de fogo de artifício num monumento nacional.

A minha opinião talvez não seja muito importante, mas a de um director de um museu que se vê desautorizado pelo 1º ministro, e não quer apresentar a demissão, parecendo mostrar um grande apego ao lugar, muito para além do razoável, incomoda e é notícia.



2 comentários:

Elvira Carvalho disse...

A mim parece-me assim como se fossem fazer o jantar para um cemitério.
Mas também não me pareceu bem que o Durão Barroso tivesse autorizado o lançamento do Harry Potter com o seu caldeirão de poções mágicas e crianças fantasiadas a correr por entre os mausoléus.
Enfim as trapalhadas na cultura são como a fama do Constantino. Já vêm de longe.
Um abraço

Zepovo Ze disse...

https://www.publico.pt/2017/11/13/sociedade/investigacao/comissao-europeia-e-ministerio-publico-chegaram-a-conclusoes-opostas-no-caso-tecnoforma-1792098?page=/&pos=1&b=stories_cover__breaking_b