quarta-feira, junho 14, 2017

PATRIMÓNIO E SEGURANÇA

Nos últimos dias têm vindo a lume diversos casos relativos a segurança, ou falta dela, que deram origem a atentados, e a incêndios, que têm resultado em perdas de vidas, e muitos feridos, e as pessoas estão agora mais sensibilizadas para os problemas ligados à segurança.

O Património também tem sido fustigado por alguns casos de falta de segurança, basta recordar a estátua do arcanjo que foi danificada no Museu Nacional de Arte Antiga, ou o vandalismo praticado no Parque do Côa, resultantes de lacunas na segurança a nível humano, ou de outros factores que podiam e deviam ser previstos.

A segurança nos museus tem sido muito descurada, e nem tudo se resolve com novas admissões (necessárias), porque existem muitas lacunas a resolver, desde os meios de combate a incêndios (alarmes e extintores), até aos planos de emergência, de que se falou há tempos, mas que não foram revistos, testados, ou sequer discutidos dentro dos serviços.


Não existe abertura por parte dos responsáveis para envolver os profissionais de vigilância nestas problemáticas, como se os problemas de segurança possam ser resolvidos nos gabinetes, longe da realidade e das particularidades dos espaços onde circulam os funcionários e o público, que deviam merecer toda a atenção e cuidado.

0

2 comentários:

maceta disse...

não é só a segurança, a vigilância... a formação da cidadania, o respeito são muitas vezes esquecidos.

cumptos

Anónimo disse...

Num dos monumentos que visitei na última borla, vi que pelo menos um extintor estava caducado desde 2015, e a funcionária disse-me que o diretor sabia do caso...
Joca