quinta-feira, janeiro 26, 2017

EMPRESÁRIOS PORTUGUESES

Eu sei que não podemos generalizar, que é perigoso, mas infelizmente conheço demasiados empresários portugueses que só não exploram mais os seus funcionários porque a lei não o permite.

O salário mínimo nacional é dos mais baixos da União Europeia, e como o mercado é globalizado e a moeda é a mesma nos países do euro, quem ganha menos tem grandes dificuldades em ter uma vida decente, algo que todos quantos trabalham deviam ter direito.

O patronato português que clama aos sete ventos não querer competir por via dos salários baixos, exige ao governo contrapartidas para a implementação do salário mínimo de 557 euros, e este até acede em compensar o “aumento extraordinário” de 27 euros, com uma descida da TSU, que depois não passou no Parlamento.

Uma das empresas nacionais que tem tido um crescimento fantástico em Portugal, abrindo novas lojas um pouco por todo o lado, tem este ano 25% dos trabalhadores a auferir o SMN, e o seu patrão gostava de poder despedir à vontade, aumentar o número de horas de trabalho (para além das 40 horas) sem os pagamentos previstos na lei, continuando assim a expandir o seu negócio, e naturalmente os seus lucros.


O vídeo é perfeitamente explícito, e mostra que não existe qualquer preconceito da minha parte no presente post… 



O vídeo foi retirado do YouTube mas ficou guardado em inúmeros sites e computadores bem como no site do Expresso.

3 comentários:

Elvira Carvalho disse...

Grande fascista.
Abraço

Anónimo disse...

Esse sabujo nem idade tem para ser um verdadeiro fascista... não passa dum badameco candidato a vampiro.
Joca

O Puma disse...

A canalha anda à solta