quarta-feira, novembro 16, 2016

CULTURA -MAIS PROMESSAS

Não podia deixar passar despercebido um anúncio da Direcção Geral do Património relativa à revisão dos planos de segurança de 23 monumentos, porque já aqui falei da falta de segurança dos funcionários e visitantes do nosso Património.

O anúncio feito no início do mês por João Seabra Gomes, responsável pelo projecto; “estamos a preparar planos de emergência actualizados para estes edifícios de acordo com as suas características específicas, e o objectivo é concluir no início de Janeiro, e depois iniciar a formação das respectivas equipas para lidar com as situações”, já é uma boa notícia.

Consultando alguns amigos que trabalham em museus e monumentos, inteiramente estatais, com gestão privada, ou totalmente privados, pude concluir que não houve qualquer contacto com os trabalhadores que estão no terreno diariamente, com o fim de se pronunciarem sobre questões de segurança no âmbito da feitura dos planos de segurança, e não tive conhecimento de nenhum serviço onde tenha existido, nos últimos 5 anos, qualquer formação em situações de segurança, ou simulacros com entidades como Bombeiros ou Protecção Civil.


A colaboração dos trabalhadores é essencial, não pode ser tudo planeado em gabinetes, a formação é indispensável e os simulacros devem ser periódicos e com a colaboração de entidades de segurança da zona de implementação dos equipamentos culturais.

A segurança no trabalho nunca é demais, e os visitantes dos equipamentos culturais merecem o melhor. Uma falha grave neste campo seria prejudicial para o turismo e esse tem sido o sector que melhor tem conseguido resistir à crise económica. 

1 comentário:

Anónimo disse...

O Estado não cumpre as leis que ele próprio faz...
Lol

AnarKa