segunda-feira, junho 27, 2016

VERGONHA

Toda a gente fala contra os funcionários públicos como se eles fossem os culpados do mau desempenho das finanças públicas, mas só porque é fácil e porque alguma imprensa e muitos comentadores o dizem, escondendo a verdade.

O caso da acumulação de ordenados e reformas, muito comum na política e nos altos cargos das empresas públicas e privadas, devia alertar os cidadãos para a verdade, em que que os privilegiados se outorgam o direito de ser excepções.

Um funcionário público na reforma não pode acumular a reforma com o salário de outra actividade sem ter problemas com as finanças, já qualquer pessoa que esteja ou saia da política, pode acumular a sua reforma com diversos cargos remunerados sem qualquer problema com o fisco.

O novo presidente da CGD vai acumular ordenado (bem vitaminado) com a reforma antecipada que pediu da actividade bancária de 27 anos, que no caso é sem cortes, bem ao contrário do que acontece com “os privilegiados” funcionários públicos.


As nossas elites têm “direitos” que se outorgam uns aos outros, que são vedados aos trabalhadores em geral, e isso é válido tanto no público quanto no privado.   

Rosa by Palaciano

2 comentários:

Elvira Carvalho disse...

Uma grande verdade.
Um abraço e uma boa semana

maceta disse...

é para confirmar a regra com as excepções...