terça-feira, maio 17, 2016

PÚBLICO DOS MUSEUS NACIONAIS



Foi agora dado a conhecer o maior estudo realizado até hoje sobre o perfil dos visitantes dos nossos museus nacionais, e ainda que seja de aplaudir a iniciativa, é sempre possível questionar certas conclusões a que se chegou.

As questões foram colocadas numa plataforma informática, era um questionário extenso e nem todas as perguntas eram claras para todo o tipo de públicos, o que pode eventualmente ter deixado de parte um público mais idoso, menos habilitado em termos informáticos e a nível académico.

A conclusão mais questionável é a de o “público dos museus nacionais ser mais qualificado e mais jovem”, porque é necessário saber se para chegar a estas conclusões se está a contar com as escolas em período escolar e de férias dentro do período escolar anual. Claro que neste caso, não se estão a falsear resultados, mas também não se chegou às tais conclusões através dos questionários, mas sim das estatísticas de entradas.

Dentro do público estrangeiro que nos visita, não é evidente que a maioria se situe dentro da faixa dos 35 aos 44 anos, mas sim numa faixa de idades superior.

Na comunicação social também não foi dado o devido relevo à opinião muito positiva do modo como são recebidos nos museus, que também consta do estudo, mesmo sabendo-se da crónica falta de pessoal para o atendimento e vigilância, nem à critica mais recorrente, que é a da falta de informação de que padece a maioria dos museus, apesar de não existir falta de pessoal nas carreiras superiores, com a excepção da conservação e restauro.

O balanço até é positivo, porque assim sempre se pode falar um pouco mais sobre museus, sobre o seu público, mesmo que com diferentes opiniões sobre algumas coisas, o que é muito saudável.



2 comentários:

Anónimo disse...

Acabei de ler a notícia no DN e também fiquei admirada com algumas conclusões, especialmente por aquela da idade, que é claramente uma prova da ignorância de quem lá chegou, porque bastava ir aos museus para constatar o erro. Outra coisa que me fez "comichão" foi a intenção de dar mais entradas grátis, que só compreendo para os nacionais, não para turistas, mas parece que o senhor ministro anda a nadar em dinheiro, embora isso não se note na informação, nos meios auxiliares de compreensão das colecções e até na sinalização que é arcaica.
Bjo da Sílvia

heretico disse...

abraço, caro amigo
excelente artigo.