sexta-feira, maio 27, 2016

A PALHAÇADA DO PATRONATO

O patronato tem vindo a usar todos os meios ao seu dispor para atacar os direitos e as conquistas dos trabalhadores, tanto do público como do privado, ainda que ataque ora um, ora outro sector, dividindo para reinar. 

O ataque ao sector público resistindo ao regresso às 35 horas semanais, que até já estiveram em vigor até ao desgoverno de Passos Coelho, teve lugar em toda a imprensa escrita, falada e na televisão, dizendo que no privado todos praticam as 40 horas. É mentira, e os que ain da as têm podiam exercer o direito a ter um tratamento igual, mas isso não constava nas colunas de opinião, nos títulos dos joenais, nos debates radiofónicos ou televisivos.

Agora fala-se em compensar a não introdução das 35 horas em alguns sectores da função pública, dando mais dias de férias aos prejudicados. Estará tudo doido? Então se não há pessoal para se praticarem horários de 35 horas, há pessoal suficiente para dar mais dias de férias? Não gozem com o pessoal!

O que dizer da mudança dos feriados para a segunda ou para a sexta, mas só se calharem às quintas ou às terças? Eu pergunto o que é que se fará aos que calham às quartas, aos sábados e aos domingos? É justo fazer-se uma leitura global do conceito, ou não?

Fica também uma pergunta final para os patrões que não concedem dias de folga em possíveis pontes, ou para aqueles que obrigam a marcar um dia de férias nestas pontes, porque sairia mais caro abrir as fábricas apenas por um dia de trabalho: como iriam também gozar uns dias de férias à pála dos trabalhadores?

Será que tudo isto é apenas para "dobrar" a espinha aos trabalhadores e aos sindicatos que os representam?


2 comentários:

Elvira Carvalho disse...

Passei.
Deixo um abraço e bom fim de semana

Anónimo disse...

A vontade dos patões era tirar todos os feriados e também os sábados porque quase todos tudo fazem para obrigar os "os novos escravos " a trabalhar nesses dias e quem não aderir fica marcado para possíveis represálias como por exemplo dar -lhes trabalhos mais pesados ,perseguição e humilhação perante os outros para que fiquem psicologicamente rebaixados entre outros truques que os levam a despedir-se por si próprios para empregarem quem se rebaixe aos seus caprichos que é menos ordenado ,mais horas extraordinárias com menos custos enfim ,terem mais lucros com menos investimento em curto prazo ,depois como todos sabem fogem aos impostos depositando os chorudos lucros em paraísos fiscais ,em vez de tentarem investir nas suas empresas modernizando-as para que possa progredir e assim arranjarem mais postos de trabalho .......deveria haver mais fiscalização a esse nível e outros porque assim nunca mais o País sai da cepa torta !!!