quarta-feira, fevereiro 03, 2016

CULTURA – MAIS OLHOS QUE BARRIGA



O titular da pasta da Cultura, João Soares, teve entradas de leão, e nestas coisas como em muitas outras é prematuro falar-se sem conhecer bem a casa e os meios que lhe estão atribuídos, porque isso pode ser um problema a prazo.

Um dos maiores problemas da área do Património reside na relação entre as receitas e as despesas, e as últimas são bastante elevadas e no que toca a manutenção de edifícios e outras obras de conservação, são tanto maiores quanto menores tenham sido os cuidados tidos anteriormente.

A angariação de receitas depende sobretudo das receitas de bilheteira, e o senhor ministro foi muito depressa ao pote, sugerindo que as entradas de jovens até aos 30 anos fossem grátis aos domingos e feriados, certamente sem dados objectivos sobre o impacto e justeza de tal medida.

Eu não sou um adepto da Cultura mercantilista, mas também não acho que o dinheiro caia do céu. Não admira que João Soares venha agora dizer que Portugal vive uma situação de emergência, prevendo já que o orçamento seja mesmo muito curto, o que não é novidade para quem por cá anda há muitos anos.

A fasquia está agora muito mais alta do que há meses atrás, porque existe a promessa de completar o Palácio da Ajuda, terminar a museologia do Museu dos Coches e restaurar os carrilhões do Convento de Mafra. Outra expectativa prende-se com a recusa do senhor ministro relativamente ao plano Belém/Ajuda, ficando em aberto qual será a alternativa que terá em mente, ou se pelo contrário tudo ficará na mesma.



2 comentários:

Elvira Carvalho disse...

Pois, como dizia minha avó. "Quem está dentro do convento é que sabe o que lá vai dentro"
Abraço

Anónimo disse...

Daqui a pouco tempo teremos um ministro sem dinheiro para flores e desejando que surja uma oportunidade para mudar de pasta...
Bjo da Sílvia