segunda-feira, outubro 13, 2014

PORTUGAL DEPOIS DAS PRIVATIZAÇÕES



Durante vários anos os governantes de Portugal andaram a pregar que o Estado tinha uma dimensão demasiadamente grande, e que estava por isso a sufocar a economia, para além de ter uma gestão ineficiente que prejudicava os cidadãos.

Na fúria privatizadora foram empresas como a GALP, a PT, os CTT, ou a EDP, tudo empresas que davam lucro e que funcionavam praticamente em regime de monopólio. Convém acrescentar que estão nos planos de privatização deste governo, a TAP e as Águas de Portugal.

Os anéis já estão quase todos no prego, e já foram agarrados alguns dedos deste pobre povo. Portugal está mais pobre e endividado, e os portugueses pagam agora muito mais impostos do que antes das privatizações, e têm cada vez menos direitos.

Não está em causa apenas o que perdemos, porque a maior parte destas empresas está em mãos estrangeiras sem que o país tenha melhorado a sua situação económica, mas também deixámos de poder decidir verdadeiramente sobre serviços e bens estratégicos, pagando hoje muito caro pelos erros estratégicos.

Hoje já há quem “chore lágrimas de crocodilo” pela PT, e ainda berre porque pagamos mais impostos e o Estado fornece cada vez menos serviços e de menor qualidade, mas são incapazes de parar para pensar como é que se chegou aqui…


2 comentários:

Elvira Carvalho disse...

E a pergunta é: E quando não houver mais nada para vender?
Um abraço e uma boa semana

São disse...

será que ainda resta Portugal depois desta entrega a desbarato de tudo ?!

Duvido !!

Boa semana