segunda-feira, agosto 11, 2014

DIREITOS DO TRABALHO



Numa altura em que todo o esforço de recuperação económica dos países em dificuldades caiem sobre o factor trabalho, custa a acreditar que ainda existem políticos ligados aos executivos europeus, que se preocupam com a defesa dos direitos de quem trabalha.

Desiludam-se os que pensaram, mesmo que apenas por momentos, que eu estava a referir-me a alguma situação dentro do espaço nacional, porque não é o caso.

Foi notícia uma proposta do SPD da Alemanha visando proibir os chefes de telefonar aos trabalhadores fora do horário de trabalho. Note-se que a França também já tinha tomado uma iniciativa semelhante há pouco tempo.

Em Portugal a norma é de se exigir total disponibilidade aos trabalhadores, dizendo-se logo desde a admissão que esse é um requisito fundamental e indispensável, determinante do futuro na respectiva carreira, o que desde o início de funções “amarra” os trabalhadores a esta dependência.



Sem comentários: