quinta-feira, março 20, 2014

A IRRELEVÂNCIA

Passos Coelho “atirou para consumo doméstico” que o encontro que teve com Merkel foi um “acto de grande soberania”, mas não convenceu ninguém.

Foi bastante claro pelas palavras de Cavaco Silva que Portugal não risca nada no conjunto da Europa nas decisões para o seu próprio futuro. A Alemanha decidirá se a nossa saída do programa de assistência será limpa ou não, e tal como aconteceu com a Irlanda, o mais certo é ser mesmo uma saída limpa porque isso é mais fácil de “vender” aos alemães.

É certo que há possibilidade de haver um programa de assistência, mas só com uma submissão ainda maior e por um período bastante alargado de tempo.


A Europa sabe muito bem que se a Grécia cair, ou se Portugal cair, o que estará em causa será o euro e isso não convém aos países do norte, mas não há coragem para assumir uma posição, assim espera-se que a França e a Itália entrem em dificuldades, para então se tornar inevitável uma nova política económica e monetária que evite a queda do euro.

««« - »»»
Humor


2 comentários:

Gilberto Fernandes Teixeira Teixeira disse...

Estão à esperar pelo efeito dominó.. "Um feliz dia dos Pais atrasado."

Anónimo disse...

Passos foi prestar vassalagem à Merkel, mas só o pode fazer em nome próprio.
Lol

AnarKa