sábado, fevereiro 08, 2014

MIRÓ E AS PATACOADAS

Não sou um especialista em pintura nem tão pouco um admirador da obra de Miró, mas conheço suficientemente bem o turismo cultural, bem como a aptidão dos portugueses para aderir a exposições bem concebidas e melhor publicitadas.

Ainda recentemente tivemos em Portugal exposições no Palácio da Ajuda e no Museu de Arte Antiga que registaram grande afluência de público, não só nacional como estrangeiro. Também é um facto que em 2013 o número de visitantes dos nossos museus, palácios e monumentos registaram subidas interessantes, e receitas também muito apreciáveis.

Há mercados turísticos que estão a apresentar crescimentos consistentes, como os países do Leste europeu, a China, o Brasil, com um interesse bastante acentuado na vertente do turismo cultural, e o país pode competir em património edificado, em património paisagístico, mas está bastante limitado na oferta de exposições de arte com impacto significativo, onde outros países europeus nos batem aos pontos.

Não temos falta de obras de arte para fazer exposições de nível internacional, mas desprezamos obras que são do Estado, como os Mirós, e outras que resultam de falências de outras entidades e que por isso caíram na posse do Estado português.

Não sei se o Estado podia ficar com todas estas obras, ou se saberia sequer rentabilizar esse património, mas não é admissível que o não possamos sequer desfrutar em exposições que as valorizariam, que não seja pensada a sua rentabilização em solo português, ou em permuta com instituições estrangeiras. A pressa em vender por atacado é disparatada e os mercados perante tal desespero demonstrado só podem reagir com ofertas muito abaixo do valor real das obras.


Para finalizar apenas mais uma deixa, este governo nunca irá gastar um cêntimo do dinheiro da venda destas colecções na beneficiação de museus ou monumentos nacionais, porque o dinheiro irá direitinho para a CGD e portanto para a actividade bancária.


3 comentários:

São disse...

Embora não aprecie muito arte moderna /contemporânea , gosto de Miró por causa do colorido .

Sempre achei uma tolice quando ouço que estes artistas queriam recuperar a criatividade e as formas da infância, talvez porque a minha +área profissional sempre fosse a Educação ,costumo dizer que para isso prefiro os originais, isto é, os desenhos e pinturas feitas pelas próprias crianças.

Quando Passos diz que os quadros foram entregues com a chave na mão demonstra o que a criatura sabe de Cultura e o domínio que tem da língua: por isso surgem os "inconseguimentos" e as revoluções semânticas...

Quanto ao seu texto, assino por baixo.

Bom domingo, sem o vento e chuva daqui

Kruzes Kanhoto disse...

Não resisto à piadola fácil: Vão vir charters de chineses para ver o Miró!!!

Anónimo disse...

Poucos têm a noção do poder do turismo, como se vê pelo comentário anterior, mas aqui no aeroporto pode-se constatar que já chegam mais chineses do que japoneses a Lisboa, o que nunca tinha acontecido em anos anteriores.
Bjos da Sílvia