segunda-feira, dezembro 02, 2013

CONCERTAÇÃO DEMOCRATICAMENTE FECHADA



Já vai sendo um hábito saber-se de decisões deste governo tomadas sem a auscultação dos trabalhadores, das suas organizações, do patronato e das suas organizações. Claro que tudo isto acontece na maior normalidade democrática, como diria Cavaco Silva.

O aumento para as 40 horas semanais, com todos os erros na elaboração da lei, que mesmo dizendo uma coisa, foi aprovada pelo Tribunal Constitucional na presunção de que a intenção não era a expressa pela sua real formulação, também não mereceu qualquer discussão real, pois era uma questão fechada à partida.

Agora temos o aumento da idade da reforma para os 66 anos, que foi levada à discussão na Concertação Social, mesmo sabendo-se que o governo tem o modelo fechado e sem margem para mudanças.

Este tipo de democracia (com letra muito pequena), onde se discutem coisas havendo já uma decisão tomada, não será muito curial num país que se diz democrático, e nesta questão nem se pode dizer que houve uma imposição da troika, pois na Europa somos dos que se aposentam com mais idade, como dizem todas as estatísticas.



2 comentários:

Elvira Carvalho disse...

Quando eu era criança havia na Seca um casal em que a mulher era tão teimosa, que quando dizia uma coisa não mudava nem que a Seca inteira lhe fizesse ver por A+B que estava errada. Então o marido costumava dizer que se ele tivesse uma pedra na mão e ela dissesse que era um pau, não mudava de ideia nem que ele lhe abrisse a cabeça com a dita cuja.
Este governo é assim. Pergunto-me se algum dia o povo vai perder a paciência...
Um abraço

MARIA disse...


Democraticamente, estamos todos desconcertados!