domingo, novembro 03, 2013

COMO DISSE?



Este governo encheu a boca, no princípio do seu mandato, dizendo o seu programa de governo era o acordo com a troika, e depois foi ainda mais longe, dizendo que queria ir para além das exigências apresentadas pela troika.

Tenho a certeza que não sonhei, e muitos foram os portugueses que ouviram tudo isto, exceptuando talvez o vice-primeiro-ministro Paulo Portas, que veio recentemente dizer que os portugueses foram “sacrificados e humilhados neste resgate imperdoável”.

É simplesmente caricato ouvir da boca de Paulo Portas que o resgate “transformou Portugal num país internado nos cuidados intensivos”, e que o fim do ajustamento significa que se vai recuperar uma parcela da soberania nacional.

Não sei se Portas se recorda de ter assinado o tratado orçamental, e de ter defendido o programa de ajustamento tal e qual lhe foi apresentado, sem nunca ter tentado forçar alterações que o tornassem mais amigo da recuperação económica e menos penalizador dos cidadãos.

A teoria do bom aluno que tem sido a cartilha do executivo é que nos trouxe sacrifícios para ale do aceitável e do razoável, e nos humilhou enquanto povo, que não soube escolher governantes responsáveis e menos incompetentes.

2 comentários:

Gilberto Fernandes Teixeira Teixeira disse...

O discurso foi pura enganação... agora Portugal agoniza em uma Europa que mais se parece com o calderão dos diabos.

Anónimo disse...

Portas é um contorcionista mas com um show demasiado visto...
Bjos da Sílvia