quinta-feira, outubro 10, 2013

DIVIDIR PARA REINAR



Na comparação com César, Passos Coelho fica a perder por muito, por isso o 1º ministro não devia copiar o conceito «divide et impera» pois falta-lhe a arte e os argumentos do governante romano.

A táctica é antiga, mas o executivo tem usado e abusado dela na maior parte das vezes sem a força da razão, como agora. Ao dizer que o sector privado foi “duplamente penalizado” para poupar o Estado, onde segundo ele tem deparado com problemas “legais”, Passos Coelho incorre numa contradição e omite muita coisa.

Os problemas legais a que alude são as medidas que eram absolutamente inconstitucionais, e não creio que alguém defenda a ilegalidade num Estado de direito. Quanto às penalizações talvez fosse mais honesto dizer que se cortaram subsídios a funcionários e a pensionistas, com medidas ditas excepcionais e irrepetíveis, criaram-se taxas só para funcionários públicos e reformados e aumentaram-se os descontos para a ADSE. Aumentos de salários e de pensões também não aconteceram.

Importa perguntar porque é que aumentaram as despesas do Estado, porque o número de funcionários diminuiu mais do que foi acordado com a troika. Aqui começam a surgir os desempregados, mas eles resultam das políticas seguidas, mas mesmo assim as prestações sociais diminuíram, pois também aí se cortou indecentemente.

O que é que faz então com que a despesa do Estado não diminua, senhor 1º ministro? Diga quais são os itens que teimam em não baixar, porque só assim alguém o poderá levar a sério.



5 comentários:

O Puma disse...

Este desgoverno cairá nas ruas

ou nas pontes

São disse...

O pior é que há criaturas que até acreditam no que este idiota e séquito dizem sobre o funcionalismo público!!

Bom dia

Anónimo disse...

O que não baixa, pelo contrário, são os juros da dívida e a dívida
Lol

AnarKa

tulipa disse...

Olá
Obrigado pela simpática visita ao meu blog
deixou-me um pouco confusa
pois postou com outro nome
...
no entanto
vim cá ter
na mesma

alguém escreve:
Este desgoverno cairá nas ruas

ou nas pontes

Pois é...
mas
antes dele cair
muitos vão morrer com fome
e com falta de
assistência médica
...

o deserto
para mim
foi na Tunísia
e
agora em Marrocos

é isso
o deserto resguarda
in.confessáveis segredos

eu não anseio mais nada!!!
...
sinto-me fintada

desfaleço na luta,
falta-me tempo
falta-me esperança.

um beijo meu
bom fim de semana

tulipa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.