domingo, agosto 25, 2013

A HIPÓCRITA REDUÇÃO DA DESPESA



Se há coisa que mexa com as entranhas do cidadão é a hipocrisia de quem está no poder que prega uma coisa para os outros e não sabe dar o exemplo.

Ouvir da boca de Passos Coelho que “o Estado tem que gastar menos, e está a gastar menos”, numa altura em que os dados dizem exactamente o contrário, e não com salários pois esses já não são aumentados há anos e os funcionários são cada vez menos.

É uma hipocrisia produzir esta afirmação numa apresentação do candidato a Sintra da coligação no poder, tendo chegado em viatura oficial e com segurança do Estado que todos nós pagamos, mesmo os que não votariam nunca no dito candidato.

No evento estavam também outras individualidades, que talvez também tenham usado viaturas oficiais, mas o exemplo do 1ª ministro é o que fica, pois foi ele que disse que “o Estado tem que gastar menos”.



4 comentários:

Anónimo disse...

Não é política é pantominice e só acredita quem é burro de todo.
Lol

AnarKa

Mentiroso disse...

Em muitos países, políticos e governantes reduziram os seus ganhos significativamente. Nos outros países em crise, as reduções fora entre os 20% e os 20%. Cá, no ano seguinte ao anúncio de 5% com que nos gozaram, ainda ganharam mais cerca de €80/cabeça.

A causa destes procedimentos, doutros do género, da corrupção, da ladroagem, da impunidade, etc., não está nos políticos mas no povo que os aprova, defende e tudo faz para a continuidade da lástima em que vivemos. Todos reclamam e se choram sem excepção, mesmo que por diferentes motivações ou intenções. Ora a reclamação e a choradeira têm pelo menos duas consequências que travam qualquer mudança: o desabafo alivia a pressão e cão que ladra não morde. Sustentam-se assim as condições gerais para a manutenção do sistema.

Existe, porém o remédio santo para o mal nacional e não é nada do outro mundo, mas apenas aquele que há muito adoptaram os países onde há menos corrupção e impunidade, mais justiça social e igualdade reais, maior democracia e onde todos vivem melhor. A cura é simples, basta adoptar a base sine qua non da democracia: o controlo de políticos e governantes pelo povo. Não é um milagre e constata-se que quanto maior for esse controlo, maiores são as características mencionadas. Enquanto os parolos continuarem a acreditar que vivem ou alguma vex viveram numa democracia, porque é que os políticos hão-se mudar a sua galinha dos ovos de ouro? Nem nunca a matarão senão à força, e pelas opiniões, idiotices, queixumes e cantarolas que ouvimos, isso está bem longe de acontecer.

maceta disse...

há gajos que não vão lá com pimenta na língua, tem que ser de outra maneira mais picante...

cumpts

MARIA disse...


Os portugueses ficaram manços, e continuam a acreditar que entre estes mafiosos, está o salvador da pátria!