sábado, julho 06, 2013

CREDIBILIDADE DE GAROTOS



Os acontecimentos políticos no que respeita à coligação governamental, foram de imensa bizarria, deixando de queixo caído qualquer cidadão minimamente informado.

Primeiro sai do governo Vítor Gaspar afirmando claramente que a sua posição era insustentável devido ao falhanço rotundo das políticas que tinha defendido, face aos resultados errados das suas previsões e à deterioração do clima social. Na realidade desvendou o facto de estar demissionário há vários meses, o que não é irrelevante.

Passos Coelho decide substituir Vítor Gaspar pela sua secretária de Estado, Maria Luís Albuquerque, que além de estar envolvida numa polémica dos swaps, é a face da continuidade das políticas advogadas elo antecessor. A asneira é monumental e abala a coligação.

O resultado foi o bater de porta por Paulo Portas que, discordando da nomeação e do processo de decisão do 1º ministro, dizendo que era uma decisão irrevogável.

Com a reacção dos mercados internacionais, da troika e do patronato, assistiu-se a uma reconciliação forçada entre Passos Coelho e Paulo Portas, patrocinada por Cavaco Silva que não quer decidir acabar com esta barafunda.
Chegados aqui parece que ficamos com um vice-primeiro ministro cuja palavra nada vale, com um 1º ministro que está agarrado ao poder teimando e seguir um rumo que é errado nas palavras do seu próprio mentor, e com um presidente que forçou uma solução mesmo sabendo que o executivo daí saído está moribundo e não reúne a confiança dos cidadãos. 



4 comentários:

São disse...

O sonho de Sá Carneiro tornou-se no nosso pesadelo!!

Tudo de bom

Anónimo disse...

Dois palhaços que retratam bem o semblante dos dois chefes desavindos
Bjos da Sílvia

MARIA disse...


Não sei se ria ou chore, com tanta palhaçada!!!

Metalurgia das letras disse...

"A COLI-ENGANAÇÂO"