sábado, junho 22, 2013

OS SANTOS, AS FESTAS E OS FERIADOS



Na sua fúria contra os trabalhadores em geral, e em particular contra os funcionários públicos, o governo cortou, entre outras coisas, uns quantos feriados, dizendo que assim aumentaria a produtividade nacional.

A única receita que este executivo conhece para o aumento da produtividade é a diminuição dos custos do factor trabalho, deixando bem clara a sua ideologia e a sua falta de conhecimentos sobre a multiplicidade de estímulos já testados com sucesso neste campo, que passam sobretudo pela satisfação de quem trabalha.

A trapalhada dos feriados municipais é apenas mais uma do rol das que o governo nos tem presenteado. Em Lisboa esqueceram-se de reconhecer o direito à tolerância de ponto no Santo António, ainda que a própria Assembleia da República tenha encerrado. No Porto seguiu-se o folhetim protagonizado por Rui Rio, e agora lá veio o governo (muito tarde) reconhecer o direito ao feriado do São João.

Como existem muitos outros feriados municipais que são comemorados por este país fora, será que estamos à mercê da boa disposição dos governantes para cada um deles, ou será reconhecido para todos os respectivos feriados municipais?



3 comentários:

Kruzes Kanhoto disse...

Mais do que um caso politico este governo está transformado num caso clínico.

Metalurgia das letras disse...

Por cá os rumos sem rumos...

MARIA disse...


Cambada de cata-ventos!!