terça-feira, maio 07, 2013

OS PRIVILEGIADOS



Quem não se recorda de ter ouvido dizer que os funcionários públicos eram uns privilegiados relativamente aos restantes trabalhadores? Esse foi o mote para os congelamentos de salários, de progressão na carreira e de cortes nos salários e de subsídios.

O acórdão do Tribunal Constitucional levou a que o governo tivesse que arrepiar caminho no corte dos subsídios, e o governo voltou ao ataque aos funcionários, com o pretexto de reformar o Estado, vamos às rescisões “amigáveis”, ao aumento dos horários de trabalho e mais uns cortes de salários.

Nas rescisões ditas “amigáveis”, que são despedimentos sem justa causa em qualquer lado, os funcionários mais novos têm 1,5 salários por ano de trabalho, os mais velhos e portanto com mais anos de serviço, já só têm direito a 1 salário por ano de trabalho. Claro que isto é justiça à Gaspar.

Também se ficou a saber que os funcionários públicos não têm direito ao subsídio de desemprego, segundo foi explicado porque não descontaram para a Segurança Social. Se bem me lembro, os fp descontam 11% para a Caixa Geral de Aposentações, à semelhança dos 11% que os trabalhadores do privado descontam para a S.S., não será que estão nas mesmas condições? Será que é por causa das reformas? Mas então não estão a igualar as reformas?

Por falar em igualdade, lembrei-me do caso da ADSE, que afinal vai subir mais 1%, porque o Estado não paga a sua parte enquanto patrão, os 23% da praxe, mas dizem que querem que a ADSE fique igual à S.S..
 
Este governo anda a “mangar” com isto tudo, e perdeu a noção da realidade, da justiça e da equidade. Se não é isso, então acho que está a pedir para ser corrido sem apelo nem agravo.  


1 comentário:

Anónimo disse...

O Exterminador Careca volta a atacar...
Bjos da Sílvia