sexta-feira, maio 17, 2013

A ESTRATÉGIA DE PASSOS COELHO



Passos Coelho apresentou-se ao eleitorado com promessas de não cortar salários, de defesa dos reformados e contra os despedimentos, tudo o que depois no poder, esqueceu a tolda a velocidade.

Eu penso que alguns eleitores se esqueceram da intenção demonstrada pelo líder do PSD de fazer uma revisão extraordinária da Constituição, que disse ser inadequada e até prejudicial ao crescimento do país.

Quando o PSD forçou o governo de José Sócrates a pedir ajuda externa, havia uma agenda escondida, que só se revelou completamente à medida que se começaram a conhecer as medidas negociadas pelo novo governo com a troika.

As promessas eleitorais e mesmo o programa deste governo não abarcavam a maior parte das medidas entretanto tomadas, que vão sendo justificadas por imposição da troika, o que não é compatível com as declarações públicas dos responsáveis dos organismos que compõem a troika.

Os cidadãos têm direito a conhecer o que o governo negoceia com a troika e quais as posições das partes, para que não tenhamos de ouvir da voz dos responsáveis europeus, que a austeridade que nos está a ser imposta não foi da sua autoria, como constava.
 
Se nem toda a austeridade foi imposta pela troika, então temos aqui a mão do governo, e portanto temos uma agenda escondida do seu chefe, o 1º ministro. Não é novidade, mas está cada vez mais claro para todos.

Paolo Lobato

2 comentários:

Metalurgia das letras disse...

O governo é uma vaca que consome mais do que produz.

MARIA disse...


Agora, só o tal milagre de Fátima!!!!