segunda-feira, abril 30, 2012

A REACÇÃO DOS VOTANTES

Nos últimos anos tem sido evidente o divórcio entre o povo e os políticos, e o descrédito notório da classe política. Os povos deixaram de considerar os eleitos como seus representantes e começaram a encarar os mesmos como vendedores de ilusões, que depois de estarem no poder se esquecem dos reais problemas dos eleitores. 

Na Europa, e não só, têm surgido movimentos e até partidos claramente de protesto. A acção destes movimentos e partidos tem sido menosprezada havendo mesmo quem diga que acabam por ser irrelevantes os seus protestos. 

Quem poderia imaginar ainda há poucos anos que existiria um partido pirata com representação parlamentar? Quem seria capaz de prever que partidos extremistas podiam ter uma expressão tão significativa que ameaçariam os chamados partidos do poder, em países como a Holanda, a França e a Grécia? 

O fenómeno do voto de protesto ganha cada vez mais expressão e já há quem os ache uma ameaça ao sistema vigente. Não é a Democracia que está em perigo, pelo menos por enquanto, mas os partidos do sistema que se cuidem, porque tudo fizeram para estar tão desacreditados como se percebe.
««« - »»» 
Humor e Justiça

sábado, abril 28, 2012

OS PORTUGUESES E O RISO

Segundo o especialista em expressões faciais, Armindo Freitas Magalhães, director do Laboratório de Expressão facial da Emoção da Universidade Fernando Pessoa, “o sorriso na face dos portugueses tem vindo a desaparecer ao longo dos anos, com marcação acentuada nos últimos quatro anos”. 

O facto de se rir cada vez menos em Portugal, é preocupante e explica a enorme quantidade de antidepressivos consumidos, que é superior à média europeia. 

As razões de sorrirmos cada vez menos são bem conhecidas e prendem-se com a degradação das condições de vida e da falta de esperança no futuro, o que também se reflete noutros campos, para além da saúde, como seja na produtividade, de que tanto se fala. 

A solução imediata é talvez procurar “rir para não chorar”, como refere Eduardo Madeira, que também acrescenta que “é nas situações de crise que os portugueses mais procuram o humor, para exorcizar os problemas”. 

Apetece-me terminar com um slogan muito em voga: RIA, PELA SUA SAÚDE! 

Humor em Crise
                                                      Filme

sexta-feira, abril 27, 2012

A SAÚDE NESTE PAÍS

A saúde económica do país é simplesmente deplorável, mas o Sistema Nacional de Saúde (SNS), que até já foi dos mais elogiados do mundo, está muito “doente” e não se preveem melhoras nos tempos mais próximos. 

Neste sector também existem as famosas parcerias público privadas (PPP), as tais parcerias que o governo se comprometeu a rever, pois há fundadas suspeitas que muitas PPP’s são contratos onde os interesses do Estado foram descurados. 

No caso da Saúde temos situações que são no mínimo insólitas e que eu acho que serão difíceis de explicar. 

Uma coisa que me intriga é a de se aceitar que um mesmo grupo económico esteja no negócio dos seguros, tenha hospitais privados com acordos com os sub-sistemas públicos, e que esteja a fazer a gestão de hospitais públicos. O conflito de interesses é óbvio mas isto acontece em Portugal. 

Também se estranha que sejam autorizados e criados hospitais públicos e privados em quantidade e que perante um excesso de oferta se encerrem unidades do serviço público, para rentabilizar os novos investimentos.

                                                                  ««« - »»»
Foto - Azul

««« - »»»
Humor e Mordidela

quarta-feira, abril 25, 2012

25 DE ABRIL

Tem havido alguma polémica em torno das comemorações oficiais do 25 de Abril desde que os militares de Abril anunciaram a sua ausência do evento oficial, mas curiosamente os simpatizantes do círculo do poder vieram desvalorizar o caso. 

Na realidade as comemorações oficiais com a presença dos membros do governo e dos representantes dos partidos que o apoiam não faz qualquer sentido, atendendo ao que têm vindo a fazer desde que tomaram as rédeas do poder. Não falo de tendências políticas, obviamente, que essas são da responsabilidade de cada um, mas de coerência com o espírito que enformou o 25 de Abril, que não está presente na acção deste governo. 

Vi que os apoiantes do governo levaram sempre a intenção, de algumas pessoas ligadas ao golpe militar do 25 de Abril, não estarem presentes para as diferenças ideológicas, vindo por isso a clamar que existe Liberdade e Democracia, e que portanto não há razão para esta atitude. Eu discordo deles, o que não será novidade, precisamente porque as populações aderiram ao 25 de Abril porque era a sua oportunidade de viver num mundo mais justo, onde as pessoas e o seu bem-estar seriam a prioridade dos governantes, onde os direitos à habitação, ao ensino, à saúde e ao emprego estariam na linha da frente das preocupações do poder político. 

A Liberdade não se esgota na liberdade de expressão, e o 25 de Abril não se esgota por aí. O campo dos direitos essenciais e duma sociedade melhor e mais justa, é o calcanhar de Aquiles dos que reduzem esta data a palavras ocas, discursos vazios e promessas nunca cumpridas. 

Eu nunca estaria ao lado deles na comemoração desta data, porque eles estão nos antípodas dos ideais de Abril como se pode constatar pelas medidas que têm tomado. A hipocrisia política é simplesmente detestável.

segunda-feira, abril 23, 2012

OS SINAIS

Qualquer pessoa, em qualquer situação, deve prestar atenção ao que se passa em seu redor e manter-se relativamente bem informada para poder estar à altura das novas situações que nos surgem todos os dias. 

A informação e a devida atenção têm de ser atributos de qualquer governante, pois as suas decisões têm consequências na vida dos governados. 

As notícias têm revelado que as receitas dos impostos estão a diminuir, que as vendas de automóveis baixam há muitos meses, que o número de automóveis a circular nas estradas diminuem, que o consumo de gasolina vai baixando, que as falências das farmácias aumentaram, que o consumo de medicamentos baixou, que as misericórdias já não têm capacidade de resposta para as solicitações, que o desemprego atingiu números nunca vistos, que os bancos alimentares perderam capacidade de resposta, etc. 

Estas notícias dizem bem das dificuldades sentidas pela maior parte dos cidadãos deste país, e perante tudo isto quais são as respostas dos governantes? Que a austeridade é para ficar pelo menos até 2015? Que os preços dos bens alimentares vão subir com mais uma taxa e que os electrodomésticos mais baratos vão ver o seu preço agravado com outra taxa por serem menos eficientes no seu consumo? 

Com sinais destes vindo da parte dos governantes o que é que resta aos cidadãos que já não suportam mais apertos de cinto, a não ser manifestar o seu desagrado e a sua revolta? Se tiverem outras respostas concretas avisem-me!
««« - »»»
Humor - Surpresa no WC
««« - »»»
Foto - Narciso

domingo, abril 22, 2012

PENSAMENTO


Rica Ignorância

A ignorância degrada as pessoas apenas quando associada à riqueza. O pobre é limitado pela sua pobreza e pela sua necessidade; as suas realizações substituem nele a instrução e ocupam os seus pensamentos. Em contrapartida, os ricos, que são ignorantes, vivem meramente para os seus prazeres e assemelham-se às bestas, como se pode ver todos os dias. Quanto a isso, acrescente-se ainda a exprobação de que a riqueza e o ócio não teriam sido desfrutados para aquilo que lhes confere o maior valor.

 Arthur Schopenhauer


sábado, abril 21, 2012

NOTÍCIA ESTRANHA

Segundo o DN lá para o Verão o preço da carne de porco vai subir devido a haver muitos produtores que estão a abandonar a actividade. 

Pelo que se percebe o negócio de suínos anda mau, porque os custos de produção aumentaram muito e os preços dos animais não acompanharam esse aumento, tornando a actividade pouco lucrativa. 

Acredito que em algumas zonas do país já não compense a criação de suínos, mas creio que há pelo menos uma zona deste Portugal em que há suínos com fartura, e onde a gamela é disputada com avidez. 

Para dizer a verdade ando a pensar seriamente em abrir por cá um matadouro de suínos e dedicar-me a fazer enchidos para exportação. Já pensei em abrir uma sucursal em Bruxelas, onde os nossos porcos têm mercado garantido. 

Aldrabão 

Porcalhão

sexta-feira, abril 20, 2012

EXCESSOS

Quando se olha para o ecrã da televisão e se vê um forte aparato policial onde nem faltam escudos, viseiras e armaduras, pensa-se logo em actos terroristas ou em perigosos bandos armados, mas pode não ser nada disso.

Quando prestei mais atenção à notícia fiquei a saber que se tratava de um despejo duma escola que tinha estado ao abandono e que tinha sido ocupada por voluntários que gratuitamente ali proporcionavam gratuitamente diversas actividades lúdicas e de ocupação de tempos livres à população.

As imagens que a comunicação social foi disponibilizando dão uma ideia muito clara do excesso de zelo das forças da ordem e uma inexplicável destruição de equipamentos que estavam no interior do edifício.

Há perguntas que ficam sem resposta, pelo menos por agora, como: porque é que houve este despejo, depois do tempo que esta escola esteve ao abandono, e se existia uma real necessidade de o fazer neste momento.

O que justifica todo este aparato e toda esta operação? A perigosidade dos ocupantes da escola, ou o perigo para a saúde pública?Algum dos ocupantes esteve envolvido no caso BPN?


Destruição
Proporção

quinta-feira, abril 19, 2012

ÁLVARO - O INADAPTADO

O senhor ministro da Economia e do Emprego ficou em tempos muito abespinhado quando lhe disseram que o facto de vir do estrangeiro, onde passou vários anos, lhe diminuía a capacidade de analisar a realidade portuguesa.

Na realidade Álvaro Santos Pereira demonstra a cada dia que passa um maior distanciamento da realidade do país, fazendo gala em apresentar estudos baseados na realidade de outros países.

Ao falar de produtividade e de emprego o senhor ministro pode brandir os números todos que quiser, mas dum ministro do Emprego exige-se seriedade intelectual necessária para ter sempre em linha de conta o nível salarial praticado em Portugal, que é uma parte da equação sempre omitida nas comparações dos estudos apresentados.

Não tenho nada contra quem ganha ou ganhou a sua vida além-fronteiras, mas fico sempre de pé atrás quando são estabelecidos paralelos entre realidades diferentes omitindo alguns parâmetros essenciais, como tem sido corrente quando se atacam os direitos do trabalho, o que tem sido recorrente com este governo.

Já é tempo deste ministro se adaptar à realidade dos nossos salários.

««« - »»»
Humor - O Inadaptado
Imagem da Net

««« - »»»
Imagem - Pêra

quarta-feira, abril 18, 2012

PREOCUPAÇÃO JUSTIFICADA

É com imensa preocupação que o país encara o facto de as prisões portuguesas estarem sobrelotadas por terem sido batidos todos os recordes de presos.

Para muitos observadores de condições de segurança o facto de se ter registado um aumento de presos deve-se à conjuntura económica desfavorável e ao aumento muito grande do desemprego.

A minha opinião, tão válida como outra qualquer, é de que as coisas ainda podem piorar muito mais nos próximos tempos, não pelas causas apontadas pelos doutos observadores, mas porque brevemente pode ser que a Assembleia da República venha a aprovar leis que responsabilizem os políticos e gestores públicos, por gestão danosa para o Estado, e favorecimento injustificado de privados.

Já há empreiteiros a esfregar as unhas de contentamento pois serão necessárias pelo menos mais uma meia dúzia de cadeias de grande dimensão, para albergar tanto tubarão.

««« - »»»
Humor Premiado

««« - »»»
Foto - Cactus
By Palaciano

segunda-feira, abril 16, 2012

ATÉ O NYT AVISA

A economia europeia vai por maus caminhos e ameaça contaminar outras economias mundiais, e por isso tem merecido bastante atenção do outro lado do Atlântico de onde têm surgido muito alertas nos últimos tempos.

Quando os problemas começaram na Grécia, a Europa não soube reagir, e assim continuou com a Irlanda e com Portugal. A receita aplicada aos três países foi sempre a mesma, resumindo-se a austeridade sobre austeridade, e os maus resultados obtidos pela Grécia não levaram a que a receita fosse alterada, e consequentemente os mercados começaram a explorar esta ineficácia e os ataques selectivos multiplicaram-se, ameaçando agora Espanha, Itália e mesmo a França, que têm outra dimensão económica.

O caso da Espanha, que está agora na mira dos especuladores, fez soar o alarme em diversos mercados que temem que a Europa do euro se desmorone e arraste consigo a economia mundial.

O New York Times avisa que Espanha pode ser a próxima a cair e que está a ser empurrada pela Alemanha para o abismo, com a teimosia que levou à recusa da flexibilização das metas orçamentais deste ano.

Os mercados reagiram à nega da senhora Merkel e de maneira adversa, exigindo taxas de juro demasiado altas para uma economia que ficou sujeita a ainda maior austeridade.

Todos os analistas de fora da Europa e mesmo muitos europeus já alertaram para o facto mais do que óbvio, de que sem crescimento económico e mais investimento será irrealista esperar que os países em dificuldades possam pagar a sua dívida, mas a Europa tarda em acertar com a receita para ultrapassar as dificuldades económicas.

««« - »»»
Foto Amarelada

««« - »»»
Humor - Responsabilidade Social