sexta-feira, novembro 02, 2012

A FALTA DE LEGITIMIDADE



O Orçamento de Estado para 2013 já foi chumbado pelos portugueses, mesmo antes da sua aprovação final. O aumento da austeridade e os aumentos de impostos, que não faziam parte das promessas eleitorais do 1º ministro, já mereceram o repúdio, mesmo daqueles que acreditaram em Passos Coelho.

A perda de legitimidade do governo é evidente, mas o executivo ainda teima em aplicar tudo o que disse nunca fazer.

Agora, e porque a confiança dos portugueses no governo não existe, este recorre aos técnicos do FMI para efectuar mais cortes nas funções sociais do Estado. Quando implementar os ditos cortes irá escudar-se na exigência da troika, como aliás tem sido norma.

O povo começa a colocar, muito legitimamente em causa as suas contribuições e impostos, pois já se torna evidente que aos aumentos de impostos não correspondem serviços e direitos que os justifiquem, bem pelo contrário. Aumentos de impostos e diminuição de prestações sociais não é uma opção para ninguém!


««« - »»»
Humor by Quino
««« - »»»
Toto - Última Rosa

6 comentários:

elvira carvalho disse...

Agora até andam a pedir o IRS aos mortos. Eu fiquei escandalizada porque veio uma carta para a minha mãe por não ter feito o IRS em 2010. Ela faleceu a 5 de fevereiro desse ano.
Comentei com uma amiga e soube que a ela lhe pediram do pai em 2009. O sr. também tinha morrido nesse ano.
Um abraço

Anónimo disse...

É absolutamente inconstitucional o aumento dos impostos sem a contrapartida por parte do Estado de serviços que o justifiquem.
Lol

AnarKa

Pata Negra disse...

(Ontem, este blogue deixava uma caixa de alerta de conteúdos virusais - o que é que se passou?)
Hoje já posso comentar: queria dizer apenas que temos de nos organizar!
Um abraço muito preocupado

O Guardião disse...

A mudança de antivirus causa coisas destas, mas não havia qualquer perigo para os leitores.
Cumps

Graça Pereira disse...

Mas o Governo passa cartão ao povo??
Esfola-o vivo como se fosse um "coelho" e come-nos...vivos!!
Abraçao
Graça

rouxinol de Bernardim disse...

Mais cinco anos a digerir estas tolices. Os juros da alemanha lá nos 0.7 % e os nossos cá em cima! A raiz do problema está na própria arquitetura da U.e. Se não se corrigir isto ninguém sai da cepa torta.