segunda-feira, abril 23, 2012

OS SINAIS

Qualquer pessoa, em qualquer situação, deve prestar atenção ao que se passa em seu redor e manter-se relativamente bem informada para poder estar à altura das novas situações que nos surgem todos os dias. 

A informação e a devida atenção têm de ser atributos de qualquer governante, pois as suas decisões têm consequências na vida dos governados. 

As notícias têm revelado que as receitas dos impostos estão a diminuir, que as vendas de automóveis baixam há muitos meses, que o número de automóveis a circular nas estradas diminuem, que o consumo de gasolina vai baixando, que as falências das farmácias aumentaram, que o consumo de medicamentos baixou, que as misericórdias já não têm capacidade de resposta para as solicitações, que o desemprego atingiu números nunca vistos, que os bancos alimentares perderam capacidade de resposta, etc. 

Estas notícias dizem bem das dificuldades sentidas pela maior parte dos cidadãos deste país, e perante tudo isto quais são as respostas dos governantes? Que a austeridade é para ficar pelo menos até 2015? Que os preços dos bens alimentares vão subir com mais uma taxa e que os electrodomésticos mais baratos vão ver o seu preço agravado com outra taxa por serem menos eficientes no seu consumo? 

Com sinais destes vindo da parte dos governantes o que é que resta aos cidadãos que já não suportam mais apertos de cinto, a não ser manifestar o seu desagrado e a sua revolta? Se tiverem outras respostas concretas avisem-me!
««« - »»»
Humor - Surpresa no WC
««« - »»»
Foto - Narciso

5 comentários:

Steve Finnell disse...

you are invited to follow my blog

Anabela Jardim disse...

É, pelo que vejo essa moda de usar 2015 como marcador não pegou só aqui no Brasil...

Metalurgia das letras disse...

A indignação é uma forma legitima de revolta as circunstâncias desfavoráveis porque passa o povo Português. O cinto tem sido apertado muito além das expectativas e condições financeiras deste adorável povo. As mazelas tem aumentado consideravelmente por todo país, que nem as pessoas com as melhores das intenções conseguem suprir tamanhas necessidades. O governo no entanto pouco faz e ainda quer prolongar este sofrimento até 2015. Acho que o "Guardião" tem razão quando pede respostas "concretas". Ainda dentro de uma solução pacífica para o caso...

elvira carvalho disse...

Pois eu gostava de ter.
E pensar que só em medicamentos gasto mais de 2000 Euros ano, e que sempre recebiamos devolução de IRS e este ano temos de pagar.
Um abraço

maceta disse...

nós temos grandes problemas e eles vão ter sérios problemas...

cumpts