quarta-feira, março 21, 2012

FEIJÃO-FRADE

Não vos venho falar da planta da família das leguminosas, vigna unguiculata, nem das diversas receitas possíveis em que este feijão pode ser utilizado, mas sim do que se diz das pessoas que têm duas faces como o feijão-frade.

Falo obviamente de duas personalidades da política nacional, que cumprindo a tradição de todos os maus políticos, tiveram uma posição enquanto estiveram na oposição e têm outra diametralmente oposta agora que estão no poder.

Para começar temos Passos Coelho que em 2008, então na oposição, pediu a descida do imposto que incide sobre os produtos petrolíferos, e que agora, enquanto 1º ministro, não actua em conformidade, e mantém inalterado o imposto, dificultando a retoma da economia e asfixiando as economias familiares.

Outro exemplo da dualidade do discurso dos políticos nacionais é dado por Eduardo Catroga, que quando o PSD estava na oposição dizia que existiam rendas pagas pelo Estado que eram muito acima do normal, mas agora que o PSD está no governo, e ele próprio está na EDP, já diz que é preciso fazer bem as contas.

Costuma dizer-se que o feijão-frade tem duas caras, mas como se sabe há por aí muita gente com duas caras, que se gaba da sua coerência mas que sucumbe às conveniências próprias e aos interesses instalados.


««« - »»»
Foto - Primavera

««« - »»»
Memórias

5 comentários:

Metalurgia das letras disse...

Seja bem vindo Guardião! Por aqui estes políticos são conhecidos como vira folhas. Só defendem mesmo os seus intereses pessoais.

A. João Soares disse...

Caro Guardião,

Dizia o poeta que «o sonho comanda a vida» mas estes nem sonham, nem pensam, nem sabem o significado daquilo que dizem. Lançam balões coloridos para atrair os olhares infantilizados dos pacóvios (Oh pacóvio, olha o balão!).
Infelizmente, muitos dos nossos concidadãos, pela sua inocência ou falta de discernimento, aceitam sem a mínima crítica aquilo que ouvem dos vendedores da banha de cobra e dos que oferecem serviços de apoio milagroso quer na Net quer em pequenos papéis distribuídos à porta das estações com maior movimento de passageiros.

Repare que até votamos às cegas em listas de dezenas de nomes sem conhecermos nenhum, e depois vem a provar-se que alguns são escroques que mereciam ser chicoteados em público.

Não podemos dar crédito a palavras de tal gente.

Abraço
João

São disse...

Se vai falar das criaturas de verso e anverso fica aqui uma lista telefónica sem tamanho...

Saudações

maceta disse...

Bom regresso.

Estamos portanto, a falar de gente falsa e mentirosa...

cumpts

Anónimo disse...

rosamarela detesa gente assim, mentirosa.