terça-feira, janeiro 10, 2012

A AUSTERIDADE E AS CONSEQUÊNCIAS

Desde que começaram a ser implementadas medidas de austeridade para equilibrar as contas do país, os casos de stress aumentaram substancialmente, bem como as consultas da especialidade e a venda dos medicamentos para esta maleita. O que digo não é uma opinião mas sim um facto comprovado e bem conhecido.

Sabemos que 2012 será o ano em que mais se sentirão os efeitos da austeridade imposta pelo governo, nas palavras do próprio primeiro-ministro, e que 2013 não será melhor, pelo menos para os funcionários públicos e para os pensionistas, que vão continuar a sofrer os cortes dos subsídios de Natal e de férias.


O que também já se sabe, e são dados da Comissão Europeia, é que os mais pobres são os mais afectados com as medidas de austeridade impostas, bem ao contrário do que dizem os governantes.


As percentagens apontadas, dizem que os 20% mais pobres sofrem reduções na ordem de 6,1%, enquanto os mais ricos perdem 3,9%. Claro que se podem discutir pormenores deste estudo, mas é absolutamente indiscutível que o corte de alguns euros num salário mínimo fazem mais mossa do que mil euros num salário de 5.000 euros.


Não se pode esperar nenhum entusiasmo nem nenhuma motivação da parte de quem já mal consegue subsistir com o seu salário, e passa a maior parte do seu tempo tentando não deixar de cumprir os seus compromissos económicos e contando os tostões enquanto pede a todos os santinhos que não apareça nenhuma doença ou avaria no carro ou nos electrodomésticos, que estrague tudo.


Sem as pessoas e sem o seu empenhamento, esperança e criatividade não será possível construir nada, nem produzir melhor. Continuando a seguir esta receita o paciente morre da cura, mais depressa do que da doença.


««« - »»»
Humor - Cortes Cegos

««« - »»»
Foto - Atracção Holandesa

5 comentários:

Anónimo disse...

As desigualdades aumentam e o clima social degrada-se.
Bjos da Sílvia

Metalurgia das letras disse...

"A corda sempre se rompe no ponto mais fraco" As consequências são as mazelas da pobreza o sofrimento de quem já ajudou tanto o seu país. Mais um caso de injustiça social, essa novela econômica nunca terá fim e equlibrio menos ainda." Estamos a crescer negativamente como o rabo dos burros...

São disse...

Para mim, daqui a poucos meses estamos na situação da Grécia, só com a diferença de que lá as pessoas se revoltam.

Saudações

zeparafuso disse...

E se daqui por uns tempos, não houver quem trabalhe? Se daqui por uns tempos os quadros superiores, os empresários, não tiverem quem trabalhe? São só suposições que não se poderão concretizar, mas por este andar, com os conselhos que têm sido dados a favor da emigração....

Anabela Jardim disse...

A palavra subsídio me arrepia. Culpa do Governo de Minas que trocou o piso salarial do funcionalismo por subsídio vergonhoso que congela os salários como se estivéssemos na Era do Gelo!!!