quarta-feira, novembro 09, 2011

FECHE-SE O GOVERNO

Quando se escolhe um gestor para a pasta da Saúde, é de se esperar que ele nos venha com conceitos desta natureza: maternidades com menos de 1.500 partos deveriam fechar”.

Já me disseram que eu tenho alguma coisa contra economistas e gestores, mas eu apenas contesto as suas decisões, que apenas se debruçam sobre números e nunca sobre as necessidades das pessoas.

Seguindo apenas a lógica do custo/benefício, seria completamente razoável mandar o governo para a rua. Veja-se que os ministros só fazem coisas que a troika exige, pelo que não seria descabido poupar-se nos salários dos governantes e colocar um qualquer amanuense (muito mais barato) a cumprir aquele documento manhoso que a nossa troika assinou.

Governar não é só cortar em maternidades ou despedir pessoas, é saber equilibrar os esforços pedidos e saber repartir a riqueza existente, e não é isso que este governo anda a fazer, escudando-se num papel que assinaram certamente sem o ler, porque não é passível de ser cumprido naqueles termos.

««« - »»»
Foto Sobre Rodas

««« - »»»
Humor e Inocência

2 comentários:

Isamar disse...

A cada dia que passa mais espremidos andamos. O emagrecimento do Estado nem com lupa se vê e os senhores de fato e gravata com um sorriso generoso nos lábios pululam por aí.

Bem-hajas, amigo!

Abraço fraterno

Anónimo disse...

Somos dominados por gajos sem competência e com nenhuma vontade de servir o bem comum.
Bjos da Sílvia