domingo, agosto 14, 2011

INDIFERENÇA EM POLÍTICA

Um dos piores sintomas de desorganização social, que num povo livre se pode manifestar, é a indiferença da parte dos governados para o que diz respeito aos homens e às cousas do governo, porque, num povo livre, esses homens e essas cousas são os símbolos da actividade, das energias, da vida social, são os depositários da vontade e da soberania nacional.

Que um povo de escravos folgue indiferente ou durma o sono solto enquanto em cima se forjam as algemas servis, enquanto sobre o seu mesmo peito, como em bigorna insensível se bate a espada que lho há-de trespassar, é triste, mas compreende-se porque esse sono é o da abjecção e da ignomínia.

Mas quando é livre esse povo, quando a paz lhe é ainda convalescença para as feridas ganhadas em defesa dessa liberdade, quando começa a ter consciência de si e da sua soberania... que então, como tomado de vertigem, desvie os olhos do norte que tanto lhe custara a avistar e deixe correr indiferente a sabor do vento e da onda o navio que tanto risco lhe dera a lançar do porto; para esse povo é como de morte este sintoma, porque é o olvido da ideia que há pouco ainda lhe custara tanto suor tinto com tanto sangue, porque é renegar da bandeira da sua fé, porque é uma nação apóstata da religião das nações - a liberdade!

Antero de Quental, in 'Prosas da Época de Coimbra'

««« - »»»
Foto - Work in Progress

««« - »»»
Humor Internacional
Tayo Fatunla
Pavel Constantin

2 comentários:

Isamar disse...

Infelizmente é o que acontece quanto se instalam a descrença, a falta de esperança,o desalento...
Continuo a lutar por um futuro melhor e, por isso, só baixarei os braços quando as forças me faltarem. Pelos nossos filhos e netos, pelos outros jovens, pelas outras crianças temos de continuar esta dura peleja.
Antero de Quental, Guerra Junqueiro e muitos outros demonstram-nos que a História se repete.

Bem-hajas, amigo!

Abraço fraterno

Anónimo disse...

A indiferença só existe até os burros darem na água e a barriga se encostar às costas, porque aí começa o berreiro...
Brandos costumes só enquanto a barriga estiver saciada.
Bjos da Sílvia