quarta-feira, junho 29, 2011

DO DISCURSO À REALIDADE

Os nossos políticos já nos habituaram a discursos politicamente correctos, mas suficientemente “elásticos” para poderem ter diferentes interpretações. É difícil estabelecer a fronteira entre a verdade e a mentira, como convém, mas fica quase sempre a sensação de que o que dizem não é para ser interpretado à letra.

Todos ouviram os discursos de Sócrates e fizeram já o seu julgamento, e agora já ouviram as palavras de Passos Coelho sobre o qual terão que se pronunciar em tempos próximos, porque em breve irão sentir na pele o que ele vai decidir.

A última surpresa, ainda pouco explicada, parece ser um imposto extraordinário para cobrir a derrapagem que se espera no orçamento deste ano, e que parece traduzir-se numa taxa especial no IRS dos contribuintes singulares, cobrada a título excepcional e de uma só vez. Já tinham ouvido falar disto, meus caros?

Outra surpresa, ou talvez não, terá sido a recente declaração de Cavaco Silva que disse que “é fundamental que os portugueses sintam que há justiça na distribuição dos sacrifícios”, já depois de conhecer o Programa deste Governo. Talvez seja oportuno recordar que na tomada de posse do mesmo Governo disse que os portugueses não aguentariam mais medidas de austeridade, e “que há limites” para as mesmas.

Um destes dias até os que votaram nos partidos que agora estão no poder, irão dizer que já basta de austeridade, apenas para colmatar os actos de má governação e sem reflexos nenhuns, positivos, para o bem colectivo. Um dia seremos todos mais exigentes, e saberemos exigir responsabilidades efectivas a quem não tenha cumprido as promessas, ou que tenha sido negligente na condução da causa pública.

««« - »»»
Humor - Enfiar a Carapuça

««« - »»»
Foto - Papoila

3 comentários:

Miguel Gomes disse...

Tanta carapuça dessas enfiada...

Daniel Santos disse...

nem mais!

Anónimo disse...

Quando disserem uma verdade cai-lhes um braço, e por acaso não há nenhum político maneta.
Lol

AnarKa